Você está aqui: Página Inicial / Economia / Panamericano recebe aporte de R$2,5 bi do controlador

Economia

Finanças

Panamericano recebe aporte de R$2,5 bi do controlador

por Brasil Econômico — publicado 10/11/2010 11h00, última modificação 10/11/2010 11h00
Banco do Grupo Silvio Santos anuncia operação para equilibrar patrimônio e restabelecer liquidez financeira

Por Aluísio Alves/Reuters*

O Banco Panamericano anunciou que o Grupo Sílvio Santos vai aportar R$ 2,5 bilhões na instituição, em operação destinada a restabelecer o equilíbrio patrimonial e a liquidez da instituição financeira.

"(Os recursos foram) obtidos mediante operação financeira contratada com o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), integralmente garantida por bens do patrimônio empresarial do Grupo Silvio Santos", informou o Panamericano em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo o documento, a medida está em linha com um termo firmado com o Banco Central, para restabelecer o equilíbrio patrimonial e ampliar a liquidez operacional do banco, para preservar o nível de capitalização, após terem sido constatadas "inconsistências contábeis" que não permitem que o balanço reflita a real situação patrimonial do Panamericano.

O banco informou ainda que convocou uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para indicação de nomes para formar um novo Conselho de Administração e já indicou uma nova diretoria-executiva.

Desde 13 de outubro, as ações preferenciais do Panamericano se desvalorizaram em quase 25%, tendo recuado 6,75% apenas na terça-feira (9/10). No mesmo intervalo, o principal índice da Bovespa acumula estabilidade.

Especializado nos segmentos de leasing e financiamento de automóveis, o Panamericano teve 49% do capital votante vendido para o banco estatal Caixa Econômica Federal em dezembro de 2009, por R$ 739,2 milhões.

A aquisição, feita por meio da CaixaPar, braço de participações da Caixa, foi parte dos esforços do governo para ampliar a participação dos bancos públicos no crédito, em meio aos efeitos da crise de 2008 que fizeram as instituições financeiras privadas reduzirem a oferta de financiamentos.

* Matéria originalmente publicada no Brasil Econômico