Você está aqui: Página Inicial / Economia / Medida do BC gera tendência de aumento da cotação do dólar, diz diretor

Economia

Política Monetária

Medida do BC gera tendência de aumento da cotação do dólar, diz diretor

por Agência Brasil publicado 06/01/2011 15h08, última modificação 06/01/2011 15h30
As instituições financeiras poderão comprar US$ 6,8 bilhões, se não quiserem recolher recursos em espécie ao BC sem receber remuneração

Por Kelly Oliveira

As instituições financeiras poderão comprar US$ 6,8 bilhões, se não quiserem recolher recursos em espécie ao Banco Central (BC) sem receber remuneração. Com o aumento da procura pela moeda, o dólar deve se valorizar.

“A princípio [a medida] vai gerar alguma demanda por dólar, o que tende a fazer com que a cotação suba”, disse o diretor de Política Monetária do BC, Aldo Mendes. O diretor enfatizou que se trata apenas de uma tendência, já que o mercado é muito complexo.

A ideia do Banco Central é reduzir a posição vendida das instituições financeiras de US$ 16,8 bilhões, situação observada em dezembro de 2010, para US$ 10 bilhões. No final de 2009, a posição era bem menor: US$ 2,9 bilhões. Para reduzi-la, os bancos terão recorrer ao mercado para comprar dólares.

A medida anunciada hoje (4) passa a ser aplicada em 4 de abril e estabelece que as instituições financeiras terão que recolher ao BC 60% sobre o valor da posição de câmbio vendida que exceder US$ 3 bilhões ou o montante equivalente ao patrimônio de referência do banco. Na avaliação de analistas, a posição vendida, ou seja, quando as instituições apostam na queda do dólar, pressiona a cotação da moeda para baixo. Quando a posição de câmbio é comprada, a expectativa é que o dólar se valorize.

Segundo o BC, atualmente 35 instituições estão com posição vendida e 55, com posição comprada. De acordo com o diretor, não há nenhuma instituição em situação preocupante. “A gente está olhando o sistema como um todo. Não existe nenhuma instituição que esteja puxando a média”, afirmou.

“O principal objetivo é de natureza prudencial. Não é bom que uma economia fique concentrada toda em um polo ou outro. A gente não consegue perceber qual será a taxa de câmbio futura”, acrescentou Mendes.

De acordo com ele, a medida não tem “nenhum objetivo ligado à política monetária”. As instituições terão de dispor de reais para comprar o dólar, mas, como tem prazo para fazer isso, o efeito será diluído, marginal”, afirmou o diretor.

Edição: Juliana Andrade