Você está aqui: Página Inicial / Economia / Mantido o ritmo dos investimentos

Economia

Coluna Econômica

Mantido o ritmo dos investimentos

por Luis Nassif publicado 17/07/2012 15h51, última modificação 17/07/2012 16h17
Há boas perspectivas no ano que vem para a reversão da economia

O quadro internacional rarefeito e a queda da atividade interna este ano não alteraram substancialmente o panorama dos investimentos para os próximos anos.

É o que se depreende do acompanhamento periódico realizados pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) através do Departamento de Acompanhamento de Pesquisa Econômica.

Segundo o chefe do Departamento, Marcelo Nascimento, os dados do IED (Investimento Externo Direto) mostram posição bastante sólida para diversos setores, principalmente de infraestrutura e de serviços.

A parte negativa ocorreu com o fluxo de curto prazo. Por conta da situação internacional, no final do ano passado houve pequena ruptura de algumas linhas de crédito, sobretudo da Europa.

Essa ruptura afetou a condição de financiamento de algumas empresas, que tinham perspectivas de emissões externas. O caminho foi postergar por algum tempo os investimentos, esticando o prazo.

No início do ano, depois de um conjunto de operações do Banco Central, houve melhora das condições das linhas externas, sobretudo dos financiamentos da Europa. Petrobras e outras empresas aproveitaram a ampliação da liquidez suprindo-se de caixa para os investimentos ao longo do primeiro trimestre. Com isso houve relativa melhora em relação ao final do ano passado.

***

Com relação ao IED, o levantamento do BNDES constatou alguns setores da indústria passando por revisão dos investimentos, principalmente devido à concorrência com produtos asiáticos e perspectivas de crescimento menos das exportações e do mercado doméstico.

Setores com mais dificuldade de competição, como o de siderurgia e mineração, manterão os mesmos níveis dos anos anteriores – considerados bons pelo banco

Setores mais ligados ao mercado interno, como o automobilístico, parte dos eletroeletrônicos e logística são os destaques da pesquisa, com melhores perspectivas de investimento.

***

Na logística, o destaque maior é para investimentos aeroportuários associados à Copa do Mundo e Olimpíadas, mas não exclusivamente. Em relação ao período 2007/2011, os próximos cinco anos terão investimentos cinco vezes maiores.

As perspectivas são melhores para investimentos de infraestrutura associados ao setor privado – menos dependente da burocracia pública.

No caso do saneamento, há perspectivas substanciais de crescimento. Os entraves principais foram resolvidos parcial ou completamente, seja na definição das responsabilidades (União, estados e municípios), projetos melhore elaborados e licenciamento ambiental concluído.

De 2007 a 2010, a preços de 2011, os investimentos foram de R$ 32 bilhões. No período 2012/2015 estima-se que chegará a R$ 43 bi, 33,5% maior.

No caso das ferrovias, incluindo o TAV (o trem-bala), os investimentos chegarão a R$ 45 bi, contra R$ 24 bi do período 2007/2010.

No caso dos portos, o salto será de R$ 8 bi para R$ 19 bi,

***

Tais dados reforçam a impressão de que há boas perspectivas no ano que vem para a reversão da economia.