Você está aqui: Página Inicial / Economia / Gol vai pagar R$ 96 milhões por Webjet

Economia

Aviação

Gol vai pagar R$ 96 milhões por Webjet

por Brasil Econômico — publicado 09/07/2011 18h15, última modificação 11/07/2011 10h34
Como previsto, a Gol comunicou os termos da negociação visando a compra da concorrente Webjet em acordo de cerca de R$ 311 milhões.

Como previsto, a Gol comunicou após o fechamento do mercado nesta sexta-feira (8/7) os termos da negociação visando a compra da concorrente Webjet em acordo de cerca de R$ 311 milhões.

O negócio se dará por meio da subsidiária VRG, que celebrou um memorando de entendimentos junto aos donos da Webjet, com o objetivo de adquirir todo o capital social da empresa aérea de menor porte.

Segundo o comunicado enviado ao mercado, o preço a ser pago pela Gol será de R$ 96 milhões, "sujeito a ajustes até a data em que a operação foi concluída".

A Webjet foi avaliada pelas partes em R$ 310,7 milhões, sendo que R$ 214 milhões correspondem à dívida líquida da empresa, de acordo com o departamento de Relações com Investidores da Gol.

"A aquisição está sujeita, entre outras condições, à realização de auditoria técnica e legal nas atividades e ativos da WebJet, à negociação e celebração dos documentos definitivos pelas partes e às aprovações das autoridades governamentais pertinentes", assinala a Gol.

A Webjet opera atualmente 154 voos diários para 14 cidades no Brasil. Sua frota é composta por 24 aeronaves do modelo Boeing 737-300. A VRG, que opera as marcas Gol e Varig, realiza cerca de 900 decolagens diárias para 51 destinos brasileiros e 11 internacionais na América do Sul e Caribe.

A companhia aérea anunciou que fará uma teleconferência com uma apresentação da operação na segunda-feira (11/7).

Ações

No pregão desta sexta-feira na Bovespa, as ações da Gol registraram alta de 3,50%, encerrando cotadas em R$ 19,77.

A cartada com a Webjet ajudou na recuperação dos papéis da companhia, que vinham de perdas recentes, de acordo com Rosângela Ribeiro, analista da SLW Corretora. Aumento no preço do petróleo, atrasos de voos e ameaça de greve pressionaram os ativos em diversos pregões. Desde o início do ano, as ações da Gol acumulam desvalorização de mais de 20%.

Além disso, repercute no mercado a informação de que a companhia está interessada em fazer ofertas para operar aeroportos brasileiros, dentre eles os de Guarulhos, Brasília e Campinas.

*Publicado originalmente pelo Brasil Econômico