Você está aqui: Página Inicial / Economia / Eles não têm com que se preocupar

Economia

Agricultura

Eles não têm com que se preocupar

por Gerson Freitas Jr — publicado 18/01/2011 16h40, última modificação 28/01/2011 14h29
Custos baixos, preços altos e safra cheia marcam o 2011 dos produtores
materia2

É possível que 2011 seja o melhor ano da história para o produtor, diz o consultor

Custos baixos, preços altos e safra cheia marcam o 2011 dos produtores

Luiz Suplicy Hafers, 75 anos, cultiva café em 80 hectares no Paraná. Os últimos anos, conta, foram difíceis para a cafeicultura. O aumento dos custos de produção e os preços pouco atrativos comprimiram as margens de lucro, quando não causaram prejuízos. Mas, pela primeira vez depois de muito tempo, os ventos parecem soprar noutra direção. O aumento dos preços internacionais, reflexo do aperto nos estoques e do crescimento do consumo, faz Hafers prever não apenas dias, mas anos melhores. “Ainda temos dívidas, temos dificuldades, mas prevejo ao menos três ou quatro safras com preços muito bons. Estou otimista”, afirma.

Não são apenas os produtores de café a esbanjar otimismo. Com os preços de praticamente todas as commodities agropecuárias em patamares históricos e a expectativa de boas colheitas, a agricultura brasileira como um todo deve ter um dos anos mais prósperos dos últimos tempos. “É possível que 2011 seja o melhor ano da história para o produtor rural no Brasil. Todas as culturas tiveram planilhas muito boas. Dificilmente você vai encontrar um agricultor que tenha tido prejuízo”, afirma Fernando Pimentel, presidente da consultoria Agrosecurity, especializada no setor.

O comportamento das commodities impressiona – quando não assusta. Nos últimos 12 meses, os contratos futuros de algodão dispararam 145% em Nova York e bateram todos os recordes. As cotações do milho, trigo e café avançaram quase 80%. As da soja e do açúcar, 50% e 21%, respectivamente. Além disso, o Brasil deve colher uma safra recorde. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção de grãos, fibras e oleaginosas deverá ficar próxima de 150 milhões de toneladas.

*Confira este conteúdo na íntegra da edição 631, já nas bancas.