Você está aqui: Página Inicial / Economia / Cresce preferência por cartão de crédito, diz pesquisa

Economia

Consumo

Cresce preferência por cartão de crédito, diz pesquisa

por Clara Roman — publicado 01/12/2011 10h42, última modificação 06/06/2015 18h57
Pesquisa da Abecs mostra que segurança e comodidade são principais razões para que brasileiros optem pelo dinheiro de plástico

Praticidade e segurança são as principais razões para o aumento da preferência do brasileiro pelos cartões na hora do pagamento. Segundo pesquisa da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Seviços (Abecs), 55% dentre os que possuem o serviço, preferem o meio de pagamento eletrônico ao dinheiro vivo. Em 2009, o índice era de 52% .

A pesquisa constatou que as razões principais são praticidade, mencionada por 50% dos entrevistados, e segurança, com 30%. Rubén Osta, diretor geral da Visa do Brasil, acredita na manutenção do crescimento sólido no mercado de cartões de crédito registrado nos últimos cinco anos. “Esse cenário fica na casa dos dois dígitos e não existe vislumbre de mudanças”, diz em à CartaCapital.  “O sistema do Brasil é majoritariamente de pagamentos e não de financiamento, nosso revolving [crédito] fica entre 20% e 22% do total.”

As campeãs do uso do cartão são Brasília e São Paulo. Apenas 35% em Brasília e 36% em São Paulo afirma preferir pagar com dinheiro. “O cartão oferece vantagem indiscutível sobre a moeda”, afirma o prof. Cláudio Felisoni, presidente do Programa de Administração em Varejo (Provar). E ressalta que a segurança é uma das principais vantagens da moeda de plástico.

Segundo Felisoni, o cartão estimula o consumo. “Indivíduos que utilizam dinheiro acabam sendo mais sensíveis ao gasto do que indivíduos que pagam com cartão”, afirma. Ou seja, quando a pessoa utiliza cartão, ela fica mais propensa ao gasto. Por um lado, diz, essa característica estimula o consumo e economia. Ao mesmo tempo, também pode ser responsável pelo aumento da inadimplência. No último mês, a taxa de endividamento do consumidor foi de 7,1%, a mais alta desde fevereiro de 2010.

registrado em: