Você está aqui: Página Inicial / Economia / As vantagens dos investimentos que não cobram imposto de renda

Economia

Publieditorial

As vantagens dos investimentos que não cobram imposto de renda

por Redação — publicado 08/01/2015 08h42, última modificação 08/01/2015 15h09
Conheça outros investimentos isentos de IR, além da tradicional caderneta de poupança
Divulgação

Com os altos e baixos da economia brasileira, não é sempre que sobra algum dinheiro no fim do mês. Quando isso acontece, um dos primeiros pensamentos que vem à mente do brasileiro é colocá-lo na caderneta de poupança. Como já é de conhecimento geral, este tipo de investimento não cobra Imposto de Renda (IR). No entanto, há outras opções melhores para quem deseja investir sem sofrer com a mordida do Leão e ainda obter uma rentabilidade mais competitiva do que a da tradicional caderneta.

Dentre as opções oferecidas estão as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA). Além destas, há o Fundo de Investimento Imobiliário e até mesmo ações. Neste último caso, para ficar livre do Imposto de Renda as vendas de ações não podem ultrapassar o limite de R$ 20 mil no mês.

Mesmo acreditando no mito de que a poupança é sempre a opção mais ‘segura’, o investidor tem que compreender que tanto a LCI quanto a LCA, por exemplo, contam com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) até o limite de R$ 250 mil por CPF em cada instituição financeira. E o mais relevante: nos últimos meses estes títulos obtiveram em média um rendimento 50% superior a poupança.

Já para quem decide investir em Fundo de Investimento Imobiliário (FII), se o fundo atender algumas condições, terá o benefício da isenção do IR para as receitas provenientes de aluguel e distribuição de rendimentos. No entanto, o ganho obtido na venda das cotas não está isento. Com o FII, o investidor pode se beneficiar da valorização do mercado imobiliário sem precisar desembolsar grandes quantias, além de, na maioria dos casos, poder diversificar o investimento em vários ativos. Mas antes de investir é importante estudar o setor, conhecer a composição do fundo e estar a par das taxas de administração, para não ter surpresas no momento do resgate.