Você está aqui: Página Inicial / Economia / Aliança do Pacífico promete acordo de zona de livre comércio para abril

Economia

América Latina

Aliança do Pacífico promete acordo de zona de livre comércio para abril

por Redação Carta Capital — publicado 28/01/2013 09h50, última modificação 28/01/2013 09h50
Até o fim de março, Peru, Chile, Colômbia e México devem acertar os últimos detalhes do novo acordo comercial

Os quatro países integrantes da Aliança do Pacífico, Chile, Colômbia, México e Peru, concordaram em criar uma zona de livre comércio para a qual fecharão um acordo tarifário antes de 31 de março de 2013. O anúncio foi feito oficialmente no domingo 27 pelos presidentes dos quatro países.

O acordo entre os quatro países é amplo, como informou o presidente do Chile, Sebastián Piñera. "Alcançamos acordos muito importantes na Aliança do Pacífico (fundada em junho de 2012). Em primeiro lugar, fechar o acordo tarifário antes de 31 de março de 2013. Pelo menos 90% dos produtos vão ficar liberados de qualquer tipo de tarifa no comércio entre nossos países". "Os 10% restantes (dos produtos) terão um calendário até atingir a meta de 100% de livre comércio entre nossos países", acrescentou Piñera acompanhado dos líderes da Colômbia, Juan Manuel Santos; do Peru, Ollanta Humala; e do México, Enrique Peña Nieto.

"Criamos metas para o primeiro semestre deste ano que é criar mecanismos de acesso a mercados, medidas sanitárias e fitossanitárias, eliminar os obstáculos técnicos ao comércio, facilitar o comércio e estabelecer uma colaboração aduaneira", disse o presidente chileno. Piñera indicou que o México se integrará à bolsa de valores que já reúne Peru, Colômbia e Chile.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que assumirá a presidência da Aliança no dia 24 de maio em uma cúpula em Cáli, na Colômbia, afirmou que este "é o processo de integração mais importante e profundo da história da América Latina".

Nos dias 19 e 20 de junho será realizada a primeira rodada de negócios com colaboração do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) com grandes e médias empresas, disse Santos. Ele também informou que Japão e Guatemala foram aceitos como observadores, status do qual o Panamá já goza. A Costa Rica pediu para entrar no grupo, assim como a Espanha.

A Aliança do Pacífico, fundada como uma associação comercial por Chile, México, Peru e Colômbia para ampliar seu comércio com a Ásia, ganha espaço como bloco econômico na região e atrai a atenção de Europa e Estados Unidos por sua adesão ao livre comércio.

Com informações da AFP

registrado em: