Você está aqui: Página Inicial / Destaques CartaCapital / Onde os insanos brincam de Deus

Destaques CartaCapital

EUA

Onde os insanos brincam de Deus

por Eduardo Graça — publicado 20/12/2012 11h33, última modificação 20/12/2012 11h33
Após o massacre de Newtown, a maioria apoia o controle de armas
000_Was7141799

Após massacre em Newtown, a maioria apoia o controle das armas

As informações mais chocantes são sobre as vítimas fatais: 20 crianças entre 6 e 7 anos, seis funcionários da escola primária de Sandy Hook, e a mãe do atirador Adam Lanza, de 20 anos, que cometeu suicídio após protagonizar na sexta-feira 14 o massacre em Newtown, no oeste rural do estado de Connecticut. Mas há outros dados quase tão estarrecedores quanto. A Associação Nacional do Rifle (NRA, em inglês) estima em 300 milhões as armas nos Estados Unidos, um país com população de cerca de 330 milhões de habitantes. Pesquisa do Washington Post e da ABC logo após a tragédia, embora aponte maior apoio popular para restrições ao uso de armas, revela que 56% dos homens caucasianos ainda são contra qualquer “ataque aos direitos de posse de arma”.

“Desde que cheguei à Casa Branca, esta é a quarta vez que me reúno com parentes de vítimas de assassinatos em massa. Não podemos mais tolerar isso. Para que essas tragédias acabem, precisamos mudar. Não é possível encarar o que vivemos em Newtown como rotina”, disse Barack Obama, no domingo 16, em cerimônia na localidade de pouco mais de 27 mil habitantes, ao lado de Danbury, onde vive uma das mais vibrantes comunidades brasileiras nos EUA. A brasileira Gabriela Porto, de 9 anos, estudante da escola primária de Sandy Hook, escapou da tragédia ao ficar trancada por mais de uma hora, em companhia de outras 19 crianças, na sala de música do colégio. Segundo a polícia, Lanza, diagnosticado com uma síndrome do espectro autista, matou a mãe, Nancy, em casa, e partiu para a escola pública onde assassinou a sangue-frio duas dezenas de estudantes indefesos.
No dia seguinte, Obama lembrou que também é pai de duas crianças. Emocionado, lamentou “termos vivido esta mesma infâmia tantas vezes seguidas, recentemente”. Uma semana antes da carnificina de Newtown, Jacob Roberts, de 22 anos, armado com um fuzil AR-15 e vestido com uma máscara de hóquei, matou duas pessoas e tirou a própria vida em um shopping no estado de Oregon.
*Leia mais na edição 729 de CartaCapital, já nas bancas