Você está aqui: Página Inicial / Destaques CartaCapital / O exemplo francês

Destaques CartaCapital

Newsletter

O exemplo francês

O retorno dos investimentos em estádios de futebol é incerto
por samanthamaia — publicado 08/03/2013 11h19, última modificação 08/03/2013 11h19

O futebol pode mover o coração dos brasileiros, mas dificilmente conseguirá movimentar sozinho as finanças das arenas construídas para a Copa de 2014. A experiência francesa, que recebeu a Copa de 1998 e se prepara para sediar a Eurocopa de 2016, mostra que mesmo em cidades onde o esporte tem grande apelo ao público, é um desafio promover jogos em estádios sem clube residente ou garantir retorno do alto investimento apenas com a bilheteria dos jogos de um time. Tampouco há receita certa de fontes de renda alternativas, o que levanta dúvidas sobre a afirmação dos organizadores brasileiros da Copa de que em cidades sem espectadores para lotar arenas de 40 mil lugares seria suficiente realizar shows e eventos corporativos.

Na França, o Stade de France, construído para a Copa de 1998 com um investimento de 364 milhões de euros, recebe poucos jogos de futebol e se mantém com a bilheteria do rúgbi e de shows. Principal aposta do país para a Eurocopa de 2016, o Grand Stade de Lille Métropole, no norte da França, foi erguido para ser a maior sala de espetáculos da Europa, com truques de engenharia que fecham completamente a sua cobertura e deslocam o gramado para a instalação de um palco de teatro. Também é o estádio do Lille Olympique Sporting Club (Losc), time de futebol da cidade. Mesmo com a busca de rendas alternativas ao futebol, o governo francês tem optado por contratos de Parceria Público-Privadas (PPP), que garantem aportes públicos e compensação ao investidor em caso de prejuízo.

“A questão sobre a viabilidade econômica dos estádios exigidos para os grandes eventos esportivos é a mesma em todo o mundo, pois demandam muito dinheiro. Apenas com o tempo é que vamos ver se o modelo de PPP foi melhor ou mais oneroso para os contribuintes”, diz a ministra de Esportes da França, Valérie Fourneyron. A França gastou o equivalente a 5 bilhões de reais em dez estádios para a Copa de 1998 e investirá outros 1,7 bilhão de euros (quase 6 bilhões de reais) em dez arenas para a Eurocopa de 2016. No Brasil, a construção e a reforma de 12 estádios para 2014 custarão 6 bilhões de reais.

*Leia matéria completa na Edição 739 de CartaCapital, já nas bancas