Você está aqui: Página Inicial / Destaques CartaCapital / Desconfiavam deles, e agora eles nos surpreendem

Destaques CartaCapital

Newsletter

Desconfiavam deles, e agora eles nos surpreendem

por Cynara Menezes — publicado 12/04/2013 12h55, última modificação 12/04/2013 12h55
Romário era o marrento. Tiririca, o palhaço. Jean Wyllys, o ex-BBB. Randolfe, a incógnita do PSOL. Dois anos depois, poucos parlamentares foram tão assíduos, atuantes e corajosos no Congresso Nacional
jean

Jean Wyllys ficou marcado no início pela participação no BBB. Mas se superou. Foto: Dida Sampaio/ Estadão Conteúdo

Na primeira sessão legislativa de 2011, uma quinta-feira à tarde, Romário, eleito deputado federal pelo PSB, foi flagrado jogando futevôlei na praia da Barra da Tijuca, no Rio. O mundo lhe caiu em cima, com críticas de todo lado. Dois anos se passaram e o ex-jogador não só se tornou um dos parlamentares mais assíduos, como também integra o seleto grupo de novatos que se têm destacado positivamente em um Congresso de velhas raposas. A seu lado, Tiririca, o “palhaço”, e Jean Wyllys, o “ex-BBB”, além do senador Randolfe Rodrigues, um político do “longínquo” Amapá, surpreendem o País ao exercer o mandato de forma produtiva e cidadã, enquanto outros atraem repulsa.

Romário mostra certa irritação ao falar do episódio do futevôlei, considera-o injustamente explorado porque assinara presença antes de viajar, embora admita que nem ele mesmo soubesse do prazer proporcionado por ser deputado. Nos primeiros 15 dias, conta, chegou a se decepcionar um pouco, sentindo-se como um peixe fora d’água, ou melhor, como o Peixe, seu apelido no futebol. Com o tempo, foi “pegando o jeito”, principalmente nos trabalhos nas comissões. Começou a ser olhado com mais simpatia pela mídia quando demonstrou dedicação a projetos voltados às pessoas com deficiência, inspirado pela filhinha Ivy, de 7 anos, que tem síndrome de Down.

Obviamente, Romário tem tudo para se destacar como presidente da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara, que acaba de assumir. “Uma das minhas principais bandeiras como parlamentar é moralizar o futebol em geral através da Copa”, diz o ex-camisa 11 da Seleção Brasileira, tetracampeão do mundo em 1994.

*Leia matéria completa na Edição 744 de CartaCapital, já nas bancas