Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Volúpia de mulher

Cultura

DVD

Volúpia de mulher

por Orlando Margarido — publicado 04/03/2011 10h14, última modificação 04/03/2011 10h14
Servidão Human, de Hughes, destaca Kim Novak

Servidão humana
Lume Filmes
Entre as boas adaptações que o cinema fez de Servidão Humana (Of Human Bondage), a popular novela de Somerset Maughan escrita em 1915, o personagem da voraz Mildred Rogers mereceu a dramática figura de Bette Davis e a elegância de Eleanor Parker. Mas nenhuma delas foi páreo para a beleza e sex appeal de Kim Novak na versão de Ken Hughes realizada em 1964 e se é isso que conta no ideal de composição da garçonete movida pela volúpia, teríamos então a melhor das traduções. É esse o lançamento agora da Lume Filmes, que curiosamente trouxe há pouco ao mercado A Mãe e a Puta, de Jean Eustache, também um estudo da mulher movida pelo prazer. Maughan, claro, representa uma época bem mais comedida do que o pós-Maio de 68 na França, mas ainda tem sua dose de ousadia ao revelar a força feminina numa sociedade liderada pelos homens.
É a fraqueza de um deles que põe em marcha a trama. Philip Carey (Laurence Harvey), pintor frustrado, deixa Paris depois da avaliação negativa de um crítico de arte rumo a estudar medicina em Londres. Um defeito no pé marca-lhe a vida desde a infância. Mas é também pelo mancar que Mildred, a bela e ignorante serviçal de um bar, olha o rapaz com mais interesse. Entre jantares e idas à ópera, ela, contudo, não abre mão dos demais flertes e o despacha.
Logo a mulher reaparecerá na vida de Philip, grávida de outro. Se a estrutura narrativa de Maughan é convencional, o diretor Hughes não faz muito para aguçá-la, confiante no domínio em cena da estonteante Novak. Mas não é apenas ela que se distancia das rivais anteriores, também Harvey, melhor no desempenho do amante crédulo e iludidodo que Leslie Howard ou Paul Henreid.