Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Viena!

Cultura

Crônica do Villas

Viena!

por Alberto Villas publicado 16/08/2012 12h57, última modificação 20/08/2012 14h45
Por que será que tudo funciona por aqui?
SONY DSC

Quem teria comprado aquele carrinho todo azul? Por Alberto Villas

A primeira coisa que me veio à cabeça quando sai andando pelas ruas de Viena foi uma velha canção de Gilberto Gil, lá dos idos de 69, Volks-Volkswagen-Blue: “Zeca meu pai comprou/um Volks-Volkswagen Blue/Zeca meu pai comprou/Um carrinho todo azul”. Isso porque avistei estacionado ali na Concordiaplatz um carrinho azul, um Volkswagen Blue. Carrinho é o modo de dizer. Xadrez, cool, cheio de bossa, a cara de Viena.  Quem teria comprado aquele carrinho todo azul?

Esperando o dono aparecer só pra ver a cara dele, tomamos uma cerveja Ottakringer no Café Mozart observando Viena. Como pode uma cidade ser tão organizada? Tão bonita, tão clean, tão design? Tudo aqui funciona. O metrô sem catraca, o bonde vermelho que desliza suavemente pelas ruas e avenidas,  as bicicletas maneiras, os automóveis silenciosos, os motoristas que param para os pedestres sem que eles peçam.

Por que será que Viena tem um asfalto que é um tapete, as calçadas que não têm um buraquinho sequer, as discretas placas nos lugares, tem parques e jardins maravilhosos no centro da cidade, um ar puro e um céu azul cheio de nuvens brancas?  Por que será que tudo funciona por aqui? O comerciante tem troco para qualquer nota, as latas de lixo de alumínio com compartimento para cigarro e o metrô que oferece revista de graça aos passageiros. Por que será que Viena tem até banheiros públicos ao som de ópera?  Sim, estava escrito lá no luminoso: Opera Toilete mit musik!

O que vimos pelas ruas de Viena? Dezenas de homens fantasiados de Mozart para que o turista saia bem na foto. Além do Volkswagen  xadrez, lambretas azul piscina, verde água e rosa shock. Vimos centenas de stickers colados nos postes inclusive um que - acho eu - tinha a ver conosco: Alle Journalisten Sind Archlocher! Vimos também um cartaz escandaloso anunciando o Volksbeat Tour da performática cantora Nina Hagen. Pra ser sincero, nem me lembrava mais da linda garota de Berlim.

Foi andando pelas ruas de Viena que encontramos um mercado de frutas, legumes e especiarias desses que a gente tem vontade de passar o dia. Tinha arroz do Suriname, pepino da Grécia, pitaia do Vietnã, tamarilo da Colômbia, banana da Martinica, quiabo do Gabão e jaca do Brasil. Sim, jaca do Brasil tinha lá. Foi nesse mercado que compramos cheirosos saquinhos de páprica da Hungria, pimenta da Síria, canela da Índia e harrissa do Marrocos.

Foi andando pelas ruas de Viena que encontramos a loja Comic & Toys, paixão de quem gosta de games, bonequinhos e brinquedos antigos. Foi também andando pelas ruas dessa cidade maravilhosa que vimos nas vitrines a rainha Elizabeth dando um tiauzinho movido a energia solar.

Viena é pura paixão. Bancas de flores nas calçadas exalam cheiro de begônias e enfeitam a cidade com tulipas, orquídeas, copos de leite, cravos e rosas de todas as cores. Viena são os cafés com seus petits fours, com seus brownies e suas tortinhas de amora. Viena e seus museus maravilhosos: o Albertina, o Mumok, o Leopold...

Viena merece sim uma Serenata em Sol, uma Sonata para Piano, uma Fantasia em Dó Menor de Wolfgang Amadeus Mozart. Merece sim um beijo tipo aquele que pintou na tela do austríaco Gustav Klimt em 1862 e que vimos no Museu Belvedere numa manhã de verão, julho de 2012.

 

[Semana que vem: Berlim]

 

registrado em: