Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Um encontro medieval pelo Haiti

Cultura

Solidariedade

Um encontro medieval pelo Haiti

por Paula Thomaz — publicado 21/09/2010 16h50, última modificação 22/09/2010 09h34
Ajuda humanitária ao país ainda é necessária

Ajuda humanitária ao país ainda é necessária

Mais de oito meses depois que um dos terremotos mais graves da história atingiu o Haiti, a ajuda humanitária não cessou. Desta vez a parceria de amizade e cooperação franco-brasileira, que teve início em 2008 com o ano da França no Brasil e com a vinda da primeira dama francesa Carla Bruni a São Paulo, organiza um evento solidário em prol do país mais pobre da América Latina nesta quarta-feira 22.

O consulado geral da França em São Paulo realiza o evento com a apresentação do grupo musical Eia! do Museu Cluny da Idade Média de Paris, seguido de um jantar. Tudo à moda medieval. Os músicos que são estudiosos da música do século XII ao XV apresentarão, durante o concerto, sons místicos dos instrumentos típicos dessa época da história francesa, por meio da interpretação de um repertório vocal e instrumental considerado como as raízes da música dita clássica.

Na sequência será servido um jantar que tem como base a cozinha medieval em que os povos da época comiam javali e outras aves e animais de caça. O encontro acontece onde a consulesa francesa Cristina Itté considera como “o lugar mais próximo do medieval da capital paulista: o Mosteiro de São Bento. Será um dos momentos mais raros da música da Idade Média na cidade”, afirma.

São esperados cerca de 200 convidados que participarão do concerto e do jantar por um valor de 500 reais por pessoa. Segundo Cristina, toda verba será revertida para dois projetos de cooperação franco-brasileiros no Haiti: no Hospital Charles Colimon, de Petite-Rivière, para um banco de leite materno, no âmbito do projeto de luta contra a transmissão do vírus da AIDS, que tem apoio de Carla Bruni; e para o projeto mantido em cooperação entre a ABC (Agência Brasileira de Cooperação) e a AFD (Agence Française de Développement) que contribui com a melhora das condições de saneamento básico no bairro Baillergeau, de Porto Príncipe.

Para o cônsul francês no País, Sylvain Itté, “a presença humanitária do Brasil e da França nesta ilha das Antilhas, permite a oportunidade de unir seus esforços, para juntos empreender projetos de cooperação em favor deste povo. Estaremos reunidos esta noite no Mosteiro de São Bento para manifestar a nossa solidariedade com o povo haitiano, tão dolorosamente atingido com o terremoto ocorrido em janeiro de 2010. Gostaríamos de dizer a todos os haitianos que estamos ao lado deles, afirmamos assim, que podem contar com a nossa solicitude e com o nosso apoio.”

O terremoto no Haiti aconteceu em 13 de janeiro deste ano e deixou centenas de mortos e milhares de desabrigados. Nesta segunda-feira 21, o ministro das Relações Exteriores Celso Amorim em reunião sobre a situação do Haiti em Nova Iorque disse que "evidentemente, o terremoto chamou muito a atenção do mundo, mas o tema vai perdendo importância na opinião pública e era muito importante manter o compromisso e a relação com o Haiti".

O ministro francês das Relações Exteriores Bernard Koucher disse que "para alguns parece que isto, a reconstrução, anda lentamente", mas ele e a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediram paciência. “Os que esperam progressos imediatos são irrealistas e prestam um favor débil aos que estão trabalhando duro", disse Hillary.