Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Tristeza velhaca

Cultura

Cinema 2

Tristeza velhaca

por Orlando Margarido — publicado 19/11/2010 09h00, última modificação 19/11/2010 10h38
Novo-velho Woody Allen que recicla a ideia com tempero melancólico está em "Você vai conhecer o homem dos seus sonhos" que estreia dia 26

Por que filma, ainda, Woody Allen? “Para continuar pegando a garota no final do filme”, veio a resposta espirituosa
aos jornalistas que indagavam seu comparecimento às telas na razão de um filme por ano, durante o encontro no Festival de Cannes, em maio. Se certa mecanicidade se expõe no resultado dos seus recentes trabalhos, talvez seja o caso de atribuir maior inventividade às palavras do realizador do que a suas histórias filmadas. Tese Que Você Vai Conhecer o Homem dos Seus Sonhos, em cartaz dia 26, faz por corroborar. Um novo-velho Allen recicla a ideia com tempero melancólico.

Os personagens são, bem ao gosto do cineasta, casais em crise de diferentes gerações, na Londres que Allen se habituou a filmar e em Nova York. O par mais experiente é formado por Anthony Hopkins e Gemma Jones. Quando o marido a abandona por uma jovem, ela vai se consolar na vidente e na casa da filha (Naomi Watts), esta atraída por um galerista charmoso (Antonio Banderas), situação que agrava a relação com o marido (Josh Brolin), escritor frustrado interessado na bela vizinha (Freida Pinto). Há mais desejos e traições a fechar o círculo nesta história que foi vista em Cannes como uma comédia triste.

“É a minha perspectiva da vida, uma experiência sempre obscura, dura, dolorosa, um pesadelo. A única maneira
de sobreviver é se iludir e mentir, pois do contrário a vida se torna insuportável.” E como essa noção no filme também corresponde ao tema da morte, foi inevitável saber de Allen sua postura. “Continuo sendo intensamente contra a morte. Aconselho que a evitem, se puderem. É o que venho fazendo.”