Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Trauma planejado

Cultura

Trauma planejado

por Orlando Margarido — publicado 27/03/2013 11h38, última modificação 27/03/2013 11h38
Depois de Lúcia constrói as condições favoráveis ao contexto do assédio violento entre adolescentes

Depois de Lúcia
Michel Franco

Não deixa de ser estimulante a reflexões que nos cheguem ao mesmo tempo no circuito de filmes com temas atuais como A Caça, sobre a pedofilia, e este Depois de Lúcia, a respeito de bullying. Para além das produções, convém discutir
os assuntos espinhosos sob a égide de sua longa e sabida existência e a atualização desses na sociedade contemporânea, devidamente catalogados, a partir também da atenção da mídia, desdobramentos virtuais, e mesmo do cinema.

Pois em parte disso depende a aproximação com a proposta do diretor mexicano Michel Franco, a partir de sexta 22 nos cinemas, considerada impactante o suficiente para merecer o prêmio de melhor filme na seção Um Certo Olhar, do Festival de Cannes.

No drama, constroem-se as condições favoráveis ao contexto do assédio violento entre adolescentes. Lúcia (Tessa Ia) muda-se com o pai, viúvo recente, para outra cidade. À adaptação à escola e aos seus novos colegas apresenta-se o esperado trauma. E esse vem na forma da receptividade hostil, disfarçada numa suposta aparência de amizade, que logo se transformará em rivalidade e terror à garota. À figura paterna cabe a ausência, a desatenção, para que tudo conjure em prol da intimidação e do embate doloroso.