Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Tradição lapidada

Cultura

Bravo! Música

Tradição lapidada

por Redação Carta Capital — publicado 24/01/2013 11h44, última modificação 24/01/2013 11h44
Disco Alma, da cantora de fado Carminho, pode ser a renovação que o gênero precisa em terras brasileiras

Por Tárik de Souza

Alma

Carminho; MPB/Universal

A renovação do fado ainda não ecoou como deveria nesta ex-colônia portuguesa, imantada, no passado, pelos sotaques carregados de cantores como Amália Rodrigues, Francisco José, Ester de Abreu e Olivinha Carvalho. Aos 28 anos, Maria do Carmo Carvalho Rebelo de Andrade, a Carminho, filha da fadista Teresa Siqueira, pode contribuir para reverter essa situação. Seu recém-lançado segundo disco, Alma, promove aproximações e busca afinidades em audaciosos duetos com ases da MPB. Ao lado dos violões do Trio Madeira Brasil, Milton Nascimento divide com ela seu clássico Cais (parceria com Ronaldo Bastos), de melodia escarpada, árduo desafio para qualquer garganta sem a potência do autor. Carminho ainda terça vozes com a majestosa Nana Caymmi, em companhia do piano de Leandro Braga, em Contrato de Separação, de um Dominguinhos (com Anastácia) a léguas das síncopas do forró, numa canção dissonante e dolorida.

Chico Buarque (também com o Trio Madeira Brasil) volta à Carolina de 1968, fraturada na releitura tropicalista de Caetano Veloso na época. No dueto com o autor, Carminho restabelece o lirismo nostálgico da canção. E ainda insere, sem conflito, entre os castiços Fado das Queixas e Folha (parceria da cantora com Júlio Proença), outra composição de Chico, Meu Namorado, parceria com Edu Lobo, da trilha do balé O Grande Circo Místico, de 1983. Para selar os laços, Carminho desentoca o fado Saudades do Brasil em Portugal, de Vinicius de Moraes (em parceria, omitida, com Homem Cristo), gravado por Amália Rodrigues em 1973. O tilintar da guitarra portuguesa, viola de fado e eventual baixo ou percussão leve ainda emolduram drama (Fado Adeus), algum balanço (Bom Dia, Amor, Cabeça de Vento) e delicadeza (Ruas) no roteiro dessa sutil lapidadora da tradição.

registrado em: