Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Terrível América

Cultura

Livro

Terrível América

por Rosane Pavam publicado 15/01/2011 12h06, última modificação 15/01/2011 12h06
Reflexos num olho dourado de Carson McCullers

Reflexos num olho dourado de Carson McCullers
A  história literária não trata Carson Smith McCullers como deve. Morta aos 50 anos, em 1967, ela é um dos maiores escritores americanos. Enquanto tal verdade demora a se estabelecer, o nome da artífice é apagado em favor de outros, de um Ernest Hemingway, por exemplo, mestre da simplicidade e da concisão. Claro está que Carson McCullers não é como ele, já que descarta a aventura, até ri dela, e jamais se compadece do alheio. E se mostra ainda mais concisa do que aquele ícone. Em alguns momentos, talvez até se divirta imprudentemente com a pequenez dos outros. Hemingway, ao contrário disso, evita a ironia e deposita suas esperanças no homem americano comum.
 Essa autora será mais terrível que seu próprio país? Talvez ela apenas o r eflita com mais segurança. A América profunda de Carson McCullers, aquela que ninguém deseja ver, nada no espelho raso do autoritarismo há algum tempo. Isto, a autora demonstra ao desenhar personagens impacientes de conviver com o próximo. Logo suas insatisfações jorram de modo inesperado, travestidas de atos estranhos. A escritora não recria atiradores em série como os que hoje existem às pencas na realidade americana, apenas homens e mulheres insatisfeitos com o pouco que julgam receber da nação por eles construída. A libido dessa gente está represada e seu desejo reprimido por amor e sangue é satisfeito com o primeiro que aparecer.
Na perfeita novela Reflexos num Olho Dourado, a senhora McCullers se encontra no auge. Aqui, a autora dos contos de A Balada do Café Triste situa sua narrativa em um posto do exército durante dias de paz. Será uma maneira de zombar da geração literária anterior, aquela de Hemingway? Se nada acontece, tudo tem lugar na nação que não é só sua, mas de todos os americanos. Um capitão que represa a homossexualidade se casa com uma mulher burra, um animal do sexo. O capitão sente-se atraído pelo major que tem um caso com ela. A sensível mulher do major tem apreço por um militar fracassado (culto, portanto). E um soldado de pouca cabeça, como um centauro mítico, cerca a vida deles.
“Reflexos num olho dourado” é uma frase que faz a metáfora da tarde, do ocaso. Carson McCullers não poderia imaginar que os Estados Unidos prosseguissem como eram no ano de produção desse texto, o 1941 que marcou a entrada do país na Segunda Guerra. Ou poderia? Melhor ver em Carson McCullers uma autora excepcional, não um profeta.