Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Terra de cego

Cultura

Crônica

Terra de cego

por Alberto Villas publicado 04/04/2012 10h51, última modificação 06/06/2015 18h56
Um sintoma importante da velhice é quando você não consegue mais ficar sem os óculos. No banho, então, corre-se o risco de usar um óleo de corpo no cabelo...

O primeiro sinal de que passamos dos 60 anos de idade está na cara, é a vista. É quando abrimos a caixinha do remédio para controlar o colesterol e tiramos lá de dentro a bula. A primeira irritação começa com aquele papel bíblia difícil de desfazer as dobras. A segunda é ler o que está escrito com aquelas letrinhas minúsculas.

- Mas que diabo de letra pequena é essa?

Isso não é nada. O pior, mas o pior mesmo é na hora do banho. Explico: aqui na minha casa são três mulheres e eu. Cada vez que elas vão às compras, voltam com um carregamento de xampus, cremes e óleos que vão direto pro box do banheiro que tem uma verdadeira estante porta trecos. Vocês não podem imaginar a quantidade de xampus, condicionadores, óleo, sabonetes líquidos, hidratantes e cremes de todos os tipos, tamanhos e formatos que tem por lá.

Só xampu tem para cabelos lisos, pretos, claros, quebradiços, ligeiramente quebradiços, oleosos, ligeiramente oleoso, secos, com tendência para secos, cabelos mistos, relaxados e até para cabelos normais, que, acho eu, são os meus.

Outras crônicas de Alberto Villas:

Tem xampu de chá verde com proteína de trigo, de erva doce com proteína de aveia, de ginko-biloba e hena-aloé. Tem de manteiga de cacau e bioceramidas, tem extrato de açaí e óleo de sésamo e extrato de amoreira branca. Tem ainda de manteiga de manga e extrato de água de coco.

Isso sem contar os que chegam da Amazônia: Andiroba, castanha, cupuaçu, pupunha, açaí e guaraná! Bem, eu não falei ainda dos óleos e hidratantes. Tem de pitanga, de jabuticaba, de papaia, de grape-fruit e de tangerina.

Agora, voltando aos 60 anos, aí é que está o problema porque ninguém toma banho de óculos, não é? Na hora de escolher o que passar no cabelo vem aquela aflição. Pego cada embalagem tentando adivinhar se é xampu, se é condicionador, óleo ou se é creme hidratante, emulsificante ou embelezador.

Com certeza, já passei muito óleo na cabeça e já espalhei muito xampu pelo corpo. Isso se já não escovei os dentes com um sabonete líquido de graviola.

Ando tão injuriado com essa situação que estou pensando seriamente em tomar banho de óculos. Mas aí, quando uma das três mulheres dessa casa entrar no banheiro e me vir debaixo do chuveiro de óculos, certamente vai pensar:

- Esse velho caducou de vez!