Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Talento de Pernambuco

Cultura

Artes cênicas

Talento de Pernambuco

por Revista Brasileiros — publicado 27/01/2011 16h33, última modificação 02/02/2011 12h35
Em festa por seu papel no sucesso Tropa de Elite 2, o ator Irandhir Santos, homenageado em Tiradentes, fala sobre a força do novo cinema pernambucano. Da Revista Brasileiros
Talento de Pernambuco

Em festa por seu papel no sucesso Tropa de Elite 2, o ator Irandhir Santos, homenageado em Tiradentes, fala sobre a força do novo cinema pernambucano. Da Revista Brasileiros. Foto: Divulgação

Por Carlos Minuano*

"Está surgindo uma geração com muita força no novo cinema de Pernambuco". Quem afirma é o ator pernambucano Irandhir Santos, um dos homenageados na 14ª Mostra de Cinema de Tiradentes. Ele, aliás, é um exemplo da pujança dessa nova safra. Com poucos anos de carreira já acumula sucessos, como os papeis em Baixio das Bestas, de Cláudio Assis, e o mais recente, Tropa de Elite 2, de José Padilha - maior público da história do cinema brasileiro. Confira trechos da entrevista que Santos concedeu à reportagem do site da Brasileiros.

Brasileiros - Nessa Mostra de Tiradentes tivemos mesas com a participação de até cinco diretores pernambucanos. De onde vem essa nova força do cinema de Pernambuco?
Irandhir Santos -
De uns 10 ou 15 anos para cá, vem chegando uma turma com muita força para fazer essa arte. É o que percebo em conversas com diretores com os quais trabalhei, como Cláudio Assis. Sempre lembramos da dificuldade que era fazer cinema tempos atrás. Fazíamos na gana e na vontade.

Brasileiros - Que outros nomes você destaca dessa nova safra?
I.S. -
Participei de projetos em Recife com diretores que são dessa geração mais recente, como Daniel Bandeira, Leonardo Lacca, que não tem tanto acesso a patrocínio, mas que tem, assim como o Cláudio Assis teve no início, essa força de vontade de fazer. O que eu posso entender disso é que o cinema pernambucano se voltou às suas raízes.

Brasileiros - Esse 'regresso à raiz' está especialmente na direção?
I.S. -
Está na maneira de dirigir, de escrever uma história, de tal forma que você se torna proprietário dela. Isso confere uma força tão grande que permite o diálogo com qualquer parte do Brasil e do mundo. É como se esses diretores atuais da cena pernambucana olhassem para sua terra e decidissem contar histórias de suas próprias vidas.

Brasileiros - Isso torna os filmes mais verossímeis?
I.S. -
Isso os coloca (os diretores) bem próximos daquilo que estão contando, de uma maneira tão profunda que as histórias se tornam comunicáveis em qualquer parte do mundo. Aí está o diferencial, nesse sentido. Acredito no cinema autoral, Pernambuco tem, de fato, um cinema autoral.

Brasileiros - Qual a diferença essencial entre o cinema autoral e o de mercado?
I.S. -
A diferença está na generosidade, no ajudar de um com o outro. Quem faz cinema em Pernambuco conhece quem faz cinema e há essa colaboração mútua nas produções, na própria escrita do roteiro, na maneira de fazer. Pensar no cinema pernambucano é pensar em grupo. É claro que existem diferenças em cada mente ali, mas é um grupo.

*Colaborou Eduardo Fahl