Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Sem a loucura

Cultura

Crônica do Menalton

Sem a loucura

por Menalton Braff publicado 01/04/2016 04h19
Uma pena que tenhamos perdido todo sentido do humor e que muito pouca gente ainda entenda uma ironia
Reprodução
Ilustração da capa do livro

Machado de Assis põe em xeque genialmente os limites entre sanidade e loucura

Que me desculpe o Isaías (não o da Bíblia, mas o Pessotti, meu companheiro de Jabuti literário e de macarronada), se invado sua seara, mas me apeteceu dizer alguma coisa hoje sobre a loucura. Nos tempos irracionais que estamos vivendo, pareceu-me que esse é o único assunto possível. Pelo menos razoável.

Muitos autores têm tratado do tema e, em seu O Alienista, Machado de Assis põe em xeque genialmente os limites entre sanidade e loucura. Simão Bacamarte trancafia primeiro na Casa Verde a maior parte da população porque é dominada por alguma mania, padecendo, portanto, de algum tipo de loucura. Mas então ele conclui que se é a maioria, é a norma.

Muita gente pensa assim nos dias atuais. E por ser a norma, solta todos e bota no manicômio os que não têm mania nenhuma. Para o Simão, não ter mania é sintoma da mania de não ter mania. Deu para entender?

De descoberta em descoberta, ele chega à conclusão de que o único louco no pedaço é ele mesmo. Prende-se na Casa Verde, onde fica até a morte. Com ironia e humor, Machado questiona as fronteiras da razão.

Uma pena que tenhamos perdido todo sentido do humor e que muito pouca gente ainda entenda uma ironia. 

Erasmo de Roterdã, humanista do final do século XV e início do XVI, em seu Elogio à Loucura, que toda pessoa razoavelmente culta deveria ler, propõe várias reflexões a respeito de dogmas religiosos, por exemplo, destacando-lhes a falta de qualquer sentido.

A Igreja Católica não sai incólume de seus arrazoados. E Gil Vicente, católico de carteirinha, deixa-se influenciar por Erasmo em várias questões como, por exemplo, o ataque à reza mecânica. Quem diria, o fundador do teatro escrito de nossa língua!

E por falar em Portugal, nossa pátria-madre (desculpem-me o oxímoro), é de lá que nos chega este outro louco genial, que se chama Fernando Pessoa. “Sem a loucura que é o homem/ Mais que a besta sadia,/ Cadáver adiado que procria?” Em seu livro Mensagem, Pessoa credita à loucura a ousadia de D. Sebastião, que partiu para Alcácer-Kibir, onde sucumbiu com suas tropas.

Consultado meu amigo Isaias Pessotti sobre a passagem do Pessoa, ele afirmou que existe uma grande diferença entre a loucura do ponto de vista científico (sua área) e a utilização da palavra na literatura. Questão de semântica, suponho.

Sem a loucura, o homem estaria até hoje escondido de tanga no escuro de sua caverna.

E como vivemos em tempos de loucura, é bom que se procure saber se é a loucura para o ponto de vista da ciência ou se nosso quinhão de loucura, aquele que estamos vivendo, não passa de uma metáfora. Confesso que ainda não cheguei a uma conclusão.  

registrado em: