Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Romance em ritmo de sonho

Cultura

Literatura

Romance em ritmo de sonho

por Redação Carta Capital — publicado 15/12/2012 08h11, última modificação 15/12/2012 08h11
João Gilberto Noll mimetiza o mundo onírico de seu personagem
post

João Gilberto Noll mimetiza o mundo onírico de seu personagem

por Ana Lúcia Trevisan

Ler o sonho de outra pessoa parece ser algo impossível. Mas o ritmo que marca o romance Solidão Continental, de João Gilberto Noll, é bem--sucedido ao mimetizar a fluidez do mundo onírico, tanto em sua compreensível falta de lógica como em sua extremada sinestesia.

O enredo apresenta a trajetória de um professor de português para estrangeiros. Personagem não nomeado, ele percorre diferentes lugares e descreve seus encontros amorosos e impressões sobre a vida, povoada pelos dilemas de um homem na meia- -idade. Os amores vividos no passado, os encontros sexuais furtivos do presente ora se aproximam do devaneio, ora desvelam um erotismo latente e, acima de tudo, estão marcados pela incompletude. Em seus relatos alternam-se a linearidade narrativa e a dispersão das relações de causa e consequência, que garantem a coerência dos discursos. Os capítulos do romance são marcados pelas rupturas. A memória do personagem procura, ao mesmo tempo, a lembrança e o esquecimento, reconstruindo o passado em cada novo desejo.

A solidão perpassa as diferentes situações relatadas. Não se trata, aqui, somente da condição de ausência de companhia, mas de um sentimento genuinamente humano, irremediável, a acompanhar o peso de existir.

registrado em: