Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Rainha da ambiguidade

Cultura

Calçada da Memória

Rainha da ambiguidade

por José Geraldo Couto — publicado 18/11/2012 07h32, última modificação 18/11/2012 07h32
O trabalho de Marlene Dietrich não era dar vida a personagens, mas usá-los para se expressar
Marlene (No Highway in the Sky)_02

Marlene Dietrich. Diva exótica, lânguida, sensual

“Não sou uma atriz, sou uma personalidade”, declarou Marlene Dietrich (1901-1992), definindo-se à perfeição. Seu trabalho não consistia em dar vida a personagens, mas em se servir das personagens para se expressar.

Nascida em Berlim, filha de um tenente de polícia, Marlene começou a carreira como cantora de cabaré e atriz de teatro de revista. Estreou no cinema em 1922, atuando em filmes  modestos até que, em 1929, Joseph von Sternberg a escolheu para estrelar O Anjo Azul.  Fascinado por sua presença física e seu magnetismo, o diretor resolveu fazer dela uma estrela, tirando partido de suas qualidades mais evidentes: olhar lânguido, a voz grave e sensual,
as pernas perfeitas.

Von Sternberg levou-a para os EUA, onde, juntos, fizeram outros seis filmes, cristalizando a imagem de Marlene como diva exótica e sensual. Em meados dos anos 1930, quando a parceria artística e amorosa entrou em declínio, ela buscou outros caminhos, estrelando a comédia romântica Desejo (Frank Borzage) e revelando um humor autoparódico até então oculto.

Ativa militante contra o nazismo, Marlene deu shows para soldados aliados no front. Depois da guerra, limitou suas aparições no cinema e intensificou a carreira de cantora. Brilhou sob a direção dos grandes: Lang (em O Diabo Feito Mulher), Wilder (A Mundana e Testemunha de Acusação), Hitchcock (Pavor nos Bastidores), Welles (A Marca da Maldade).

Cultivando a ambiguidade sexual, Marlene usava ternos e chapéus masculinos e declarava:  “No fundo do coração, sou um cavalheiro”. O que não a impediu de enlouquecer milhões de cavalheiros.

DVDs

 

Marrocos (1930)
No primeiro filme americano de Marlene (direção de Sternberg) ela é uma cantora de cabaré recém-chegada a Mogador, Marrocos, onde está a Legião Estrangeira. Um legionário (Gary  Cooper) se apaixona por ela e os dois vivem um romance urgente e sem futuro.

 

 

 

A Mundana (1948)
Após a guerra, comitê do Congresso dos EUA vai a Berlim ver como está o moral das tropas. Uma congressista (Jean Arthur) investiga uma cantora (Dietrich) tida como ex-amante de um oficial nazista foragido. Comédia marota de Billy Wilder.

 

 

 

Pavor nos Bastidores (1950)
Rapaz (Richard Todd) é acusado de matar o marido da amante, uma atriz  famosa (Dietrich). Uma estudante de teatro (Jane Wyman), amiga do  acusado, quer provar sua inocência e torna-se assistente da atriz. Suspense clássico de Hitchcock.