Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Punk de butique

Cultura

Exposição

Punk de butique

por Willian Vieira — publicado 17/07/2011 10h14, última modificação 18/07/2011 15h57
O Centro Cultural Banco do Brasil recebe a exposição I am a Cliché – Ecos da Estética Punk, até 2 de outubro, que retrata desde capas de discos a fotocolagens. Por Willian Vieira
Punk de butique

O Centro Cultural Banco do Brasil recebe a exposição I am a Cliché – Ecos da Estética Punk, até 2 de outubro, que retrata desde capas de discos a fotocolagens. Por Willian Vieira

I am a Cliché – Ecos da Estética Punk

CCBB do Rio

Até 2 de outubro

Uma das salas do segundo andar do Centro Cultural Banco do Brasil dedicadas à exposição I Am a Cliché explica tudo. Ela guarda uma série de capas de discos projetadas por artistas que logo se tornariam ícones da tal estética punk, feitas para bandas que ganharam os palcos mundo afora e tornaram-se ídolos de uma geração, influenciando não só a música que viria como o estilo de outras tribos, décadas depois. Verdade é que o fato de uma galeria do outro lado do oceano oferecer seu espaço para expor os signos dessa época, em obras de nomes consagrados e filhos do establishment como Andy Warhol, já diz como a vanguarda ganhou as galerias – e também, por que não, as butiques.

Além do pai da pop art, que surge em vídeos com o Velvet Underground, outros artistas que souberam explorar bem a estética inerente à vanguarda de cabelos espetados e roupas rasgadas figuram nas 150 obras da mostra. São fotografias, fotocolagens, banners e instalações sobre as várias fases do movimento punk, assinadas por gente como Bruce Conner, Dennis Morris, Peter Hujar. Para os amantes da estética,  da música ou simplesmente dos respingos históricos da vanguarda mais comentada da Inglaterra, há ainda Jamie Reid e suas fotocolagens subversivas e Robert Mapplethorpe e seus retratos de Patti Smith, além das capas dos discos da coleção de vinil de Thierry Planelle. Para dar o último toque de saudosismo, canções como a de X-Ray Spex, que dá nome à mostra, poderão ser ouvidas nos corredores do CCBB.