Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Por um grande projeto

Cultura

Cultura

Por um grande projeto

por Rosane Pavam publicado 05/01/2011 15h25, última modificação 12/01/2011 10h56
Criador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araujo reclama da letargia e propõe um ministério profissional. Foto: Olga Vlahou
Por um grande projeto

Criador do Museu Afro Brasil, Emanoel Araujo reclama da letargia e propõe um Ministério da Cultura profissional. "Dar incentivo fiscal aleatoriamente não basta. Também não adianta só patrocinar um filme", diz. Por Rosane Pavam. Foto: Olga Vlahou

Um projeto cultural para o Brasil é o que pede com urgência, mas também descrença, o artista plástico Emanoel Araujo, criador do Museu Afro Brasil, em São Paulo, e de outras iniciativas que tiraram o País de sua condição de envergonhado vira-lata da cultura no mundo. O Brasil não tem grande projeto nesta área, ele crê. Como o cientista político Antonio Gramsci, otimista na ação e pessimista no pensamento, Emanoel afirma que o País oferece enorme complexidade a quem vá gerir sua cultura. O assunto é tão difícil que ele hesita ao transformar suas reflexões em sugestões para o futuro Ministério da Cultura de Dilma Rousseff.

“Para começar, em um país tão grande como este, não sei se a política cultural deveria emanar de um centro político”, ele considera. “Quando você sai de São Paulo e alcança o Rio, já enxerga um patamar abaixo. Então, como unir as políticas? Nem mesmo o Museu Nacional de Belas Artes, no Rio, consegue expor inteiramente o seu acervo. Os museus federais, aqueles que ainda existem, lidam com salas limitadas e a impossibilidade de fazer suas exposições circularem. Há os pontos de cultura, e mesmo nós, no Afro Brasil, somos um pontão. Mas se não há banda larga para esses pontos, o que fazer? Piranhas, em Alagoas, como fica? Talvez nem seja preciso ir tão longe. Na zona sul de São Paulo os pontos não funcionam”, situa.

As dúvidas de quem administra a cultura brasileira começam pela escolha de uma prioridade quando nem mesmo a saúde, a habitação e a educação estão resolvidas no País. A seu ver, é somente ao priorizar a cultura que esta florescerá, à moda do que aconteceu nos Estados Unidos, um país assemelhado ao Brasil por ser americano, colonizado, diversificado etnicamente e recente em sua formação. “Os norte-americanos não são hegemônicos por acaso. A cultura foi praticamente seu único acerto. A pop art e o expressionismo abstrato se espalharam de maneira semelhante ao que aconteceu durante a civilização greco-romana, que por tanto tempo ditou seus princípios. Os norte-americanos lidaram com o assunto por meio do compromisso de toda a sua sociedade com a cultura.”

Para Emanoel, mais vale seguir o exemplo do lado de cá do Atlântico do que o modelo estatizante europeu. Nos Estados Unidos, os museus são em sua maioria particulares, ele argumenta, e a questão cultural não fica inteiramente no âmbito do governo. Há os endowments for arts, que estabelecem a doação de dinheiro ou propriedade, muitas vezes anônima, a uma instituição da cultura. Os museus são organizados de maneira mais livre, no sentido de que são organizações independentes do Estado, muito embora existam aqueles geridos pelo Smithsonian Institute.

“Nos Estados Unidos, existe o que não há aqui, o compromisso social com a cultura. Não vigora nos espectadores norte-americanos do museu, da orquestra ou do teatro, uma situação de passividade. Eles não apenas assistem ao espetáculo. Fazem com que o evento aconteça. Não são meros captadores.” Por isso o compromisso social deveria ser fomentado como meta educativa brasileira, ele crê. Os ricos teriam de ser levados a contribuir, já que também usufruem do espetáculo. Um ato pelo “compromisso ativo” dos afortunados, encena Emanoel: “Eles não podem lavar as mãos, viajar e achar que vão se integrar na cultura europeia sem tomar conhecimento da sua”.

O Ministério da Cultura, mesmo nos moldes atuais, deveria se empenhar em agir como instituição profissional, disposta a promover estratégias e políticas públicas que pudessem estruturar culturalmente o País. “Não se pode fazer da cultura um fato isolado, centrado na figura do ministro. Gilberto Gil tem seu prestígio e por seis anos aconteceu do ponto de vista internacional. Mas foi como se você tivesse dado o Ministério da Cultura para o Pelé, sendo que Pelé tem mais prestígio do que ele.”

Um grande projeto cultural para o Brasil, “que a essa altura não tem um grande projeto cultural”, envolveria a iniciativa privada, os ricos e o Estado. Bolsas de estudo concedidas nos moldes dos endowments e das instituições smith-sonianas seriam mais do que desejáveis. “Dar incentivo fiscal aleatoriamente a projetos culturais não basta. Também não adianta só patrocinar um filme. Seria preciso definir as questões. De que maneira as filarmônicas e os museus poderiam funcionar?”, analisa.

Emanoel lembra também que a legislação é antiga sob o ponto de vista da preservação do patrimônio histórico. “Não adianta insistir em restaurar pelos mesmos processos segundo os quais os monumentos foram construídos. Este é um país tropical sujeito a todas as intempéries, a todas as pragas. Se você não restaura, ou se restaura errado, o patrimônio vai embora, irrecuperável, como tem ocorrido agora. Veja as igrejas de Salvador, a Igreja de São Francisco de Assis, totalmente ameaçada.”

O agitador teme a letargia local, por exemplo, ao taxar as obras de arte que saem do País. A arte brasileira, mesmo diante de sua importância histórica, desde o barroco, está fora do mercado, ao contrário do que acontece no Chile, na Colômbia, na Venezuela e no Uruguai, sem contar o que ocorre no México ou Estados Unidos, ele lembra. “É preciso investir nas pessoas, na arte, na educação, para que um país se possa apresentar ao mundo.”

À moda do que ocorreu com a implantação da lei do ensino da música, a ser imposta às escolas brasileiras sem nenhum preparo ou formação cultural de professores, propõe-se avançar no Brasil deixando o irresolvido pelo caminho. “Nós vivemos pulando, como se não fosse necessária uma sequência natural das coisas. Pulamos dos anos 40, quando se formou um projeto cultural com Getúlio Vargas, para a ditadura e os anos 60, os movimentos populares de cultura e depois a censura.”

A única maneira de incentivar a cultura brasileira é cultivar a própria nacionalidade, ele conclui. “A minha sensação é a de que persiste a vergonha de ser brasileiro. No século XXI a gente ainda tem de se envergonhar disso? Por que, ao chegar um visitante por aqui, temos de levá-lo à favela, como fizemos com o Bill Clinton ou a rainha da Suécia? Por que não os levamos aos museus? Esses que vêm de longe não têm responsabilidade perante a situação social do Brasil. A constatação de mudança social não deve partir da consciência estrangeira, mas nacional. E, neste sentido, a saída para a cultura no Brasil é fazer como no México, que promoveu uma grande campanha nacionalista com os murais de Diego Rivera e a arte de Siqueiros. É preciso gostar do Brasil, com todos os seus senões.”