Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Os balões de concreto

Cultura

Exposição

Os balões de concreto

por Gianni Carta publicado 19/10/2010 13h19, última modificação 13/10/2011 11h16
A imaginação dos desenhistas de quadrinhos e a dos arquitetos viajou solta ao retratar as cidades
materia_4

A casa de vidro de Loustal

A imaginação dos desenhistas de quadrinhos e a dos arquitetos viajou solta ao retratar as cidades

Desenhos e esboços de Paris, Nova York e Tóquio, e de cidades oníricas, utópicas e fictícias, como a Gotham City do superherói Batman, adornam as paredes da mostra Archi & BD, La Ville Dessinée, no Palais de Chaillot. Expostas em ordem cronológica, a partir do início do século XX até nossos dias, 350 obras concebidas por 150 autores de histórias em quadrinhos focalizam o meio urbano. Ou, como diz o subtítulo da mostra, a “cidade desenhada”.

Intriga que a exposição, em cartaz até 28 de novembro na capital francesa, espere unir a arquitetura às histórias em quadrinhos, como indica seu título. No Palais de Chaillot, o espectador se vê levado a um intenso diálogo entre desenhistas de HQ e arquitetos. Francis Rambert, um dos dois coordenadores do evento, diretor do Instituto Francês de Arquitetura, diz que o objetivo da exposição não é entender como os desenhistas assimilaram ou transformaram as tipologias arquitetônicas das cidades reais. A mostra deseja simplesmente povoar o imaginário do espectador com visões urbanas reais ou fictícias, e se vê bem-sucedida em seu intento.

Isto porque não abandonam a mente do visitante, por muito tempo, os fortes  desenhos em que o personagem Little Nemo, do norte-americano Winsor  McCay, escala durante o sono os arranha-céus nova-iorquinos, no início do século XX. E marcante para o espectador é La Maison de Verre, a casa de vidro do autor francês Jacques de Loustal, de 2007.

*Confira este conteúdo na íntegra da edição 619, já nas bancas.