Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Os altos e baixos do Rock in Rio

Cultura

Balanço geral

Os altos e baixos do Rock in Rio

por Luiz Felipe Carneiro — publicado 05/10/2011 12h51, última modificação 06/06/2015 18h55
'Muita gente diz que não aguenta mais esse papo de Rock in Rio. Eu confesso que também não', diz autor do livro sobre o festival

Muita gente diz que não aguenta mais esse papo de Rock in Rio. Eu confesso que também não. Desde setembro de 2008, quando iniciei o projeto que veio a se transformar no livro “Rock in Rio - A história do maior festival de música do mundo”, respiro o festival. Quando, já pela televisão, vi a banda cover do Guns n’ Roses encerrar essa quarta edição com “Paradise City”, jurei a mim mesmo que só voltaria a pensar em Rock in Rio em 2013 – e isso se a minha coluna ainda permitir que eu compareça a um evento desse porte.

Mas as pessoas têm me “cobrado” alguma opinião sobre esse Rock in Rio 2011. Então, para encerrar o assunto de vez, vamos lá.

Em primeiro lugar, a pergunta mais frequente: “qual a comparação que você faz entre essa edição e as três anteriores que estão presentes em seu livro?” A principal: vivemos em tempos muito chatos.

Não faz nem 11 anos que o Rock in Rio 3 aconteceu, e tudo era muito mais simples. Não existiam os “ônibus especiais”, mas sim qualquer ônibus, que a gente pegava na porta da Cidade do Rock, e, em algum momento, acabava chegando ao seu local de destino. Não havia milhares de pessoas na frente do palco com uma câmera fotográfica durante o show inteiro. (Eu juro que um dia quero descobrir a finalidade de as pessoas filmarem um show que está sendo transmitido pela TV e pela internet. Será que querem concorrer ao Oscar??)

Também não existia esse número absurdo de celebridades que falam qualquer asneira na Tevê, e se tornam mais importantes do que todos os artistas que pisaram no palco. Eu também não me lembro de ter ficado mais de dez minutos em uma fila para comprar um cachorro quente, seja na edição de 1991 ou na de 2001. O que aconteceu? As pessoas estão mais famintas hoje? (Uma experiência fantástica que tive na primeira noite: comprei a ficha da pipoca e uma senhora, acho que gerente da loja, disse que eu teria que esperar 20 minutos para a pipoca ficar pronta. Na dúvida se aquele milho ia mesmo estourar, pedi o meu dinheiro de volta. Insistente que sou, uma semana depois, comprei a mesma pipoca em 10 segundos.)

Nas outras edições, também reparei que os artistas curtiam muito mais a vida. Aconteciam festas homéricas em suítes de hotel, artistas frequentavam o La Mole, casais se formavam nas piscinas dos hotéis, músico era preso por se apresentar pelado no palco, telefones eram jogados das janelas dos quartos de hotel... Nessa edição 2011, os dois fatos extra-palco mais impactantes que ouvi falar foram a festa da Rihanna no iate do Eike Batista, e o jantar da Katy Perry em uma churrascaria em Ipanema. Só. A impressão que tenho é que nenhum músico dormiu no Brasil. Foram teletransportados para o palco do Rock in Rio, fizeram o show e se mandaram.

Agora, as diferenças musicais. Sinceramente, não vi tantas. A mistura de gêneros musicais que sempre norteou todas as edições do Rock in Rio esteve presente novamente. E quem disse que no Rock in Rio não tinha rock, quebrou a cara. Meus ouvidos doeram nos shows do System Of A Down, do Slipknot e do Sepultura. E eu senti o chão da Cidade do Rock tremer com a porrada sonora do Metallica. Nesse quesito, penso que o Rock in Rio cumpriu a sua função de agradar a todas as tribos.

Os shows no Palco Sunset me decepcionaram um pouco. A começar pelo som. Muito ruim em praticamente todos os momentos. Também houve pouco encontro e muito revezamento entre os artistas, o que desvirtuou a proposta do palco. E quando o encontro de fato aconteceu, não senti muita química (ou seria ensaio?) em algumas apresentações. Sandra de Sá e Bebel Gilberto cantando Cazuza beiraram o constrangedor. Corri para a Rock Street e lá estavam George Israel e Guto Goffi, outros dois amigos do Cazuza, mandando bem melhor. Em compensação, Ed Motta cantando clássicos do rock acompanhado por cinco guitarristas arrasou. Milton Nascimento e Esperanza Spalding seriam fenomenais se a apresentação tivesse acontecido em uma sala para duzentas pessoas. E o Sepultura mandou bem demais (nenhuma surpresa) ao lado do Tambours du Bronx. (Aliás, a pergunta que não que calar: o que o Sepultura estava fazendo no Sunset, e o Glória no Palco Mundo??) Outros shows que gostei no Sunset foram o dos Titãs com os Xutos e Pontapés e o Baile do Simonal.

A apresentação do Erasmo Carlos com o Arnaldo Antunes eu pouco vi. Não consigo entender como é que marcam esse show no mesmo horário em que Frejat está pisando no Palco Mundo. Não teria sido mais óbvio intercalar as apresentações do Sunset com as do Palco Mundo?

E por falar no palco principal do evento, acho que deve ser um consenso quase geral que os dois grandes destaques foram Metallica e Stevie Wonder (ok, ele não precisava ter limado “Ribbon in the Sky” do set list para tocar “Garota de Ipanema”, mas valeu mesmo assim). O Red Hot Chili Peppers também tirou a má impressão do encerramento do Rock in Rio de 2001 e fez um bom show. Nada como o início de uma turnê para deixar uma banda cheia de tesão. O Coldplay demonstrou maturidade e integridade artística ao arriscar seis músicas novas no show. E o System Of A Down foi tão bom que deveria ter sido o responsável pelo show de encerramento do festival.

Por outro lado, alguns artistas derraparam no Palco Mundo. Na primeira noite, Elton John bateu ponto no Rock in Rio. Pouca voz e nenhuma vontade. Acredito que ele não deva ter ficado muito surpreso pelo fato de ninguém ter pedido bis. E o que dizer do Jamiroquai? Bom, Paul McCartney nunca deixou de cantar “Hey Jude” e nem os Rolling Stones “(I can’t get no) Satisfaction” em seus shows. Mas o Jamiroquai, banda importante que é, se deu ao luxo de deixar cem mil pessoas berrando em vão por “Virtual Insanity” ou “Space Cowboy”.

O tributo à Legião Urbana (um dos momentos que eu mais esperava) também poderia ter sido melhor. Faltou um pouco de ensaio, e, no final, quem mandou bem mesmo foi o Marcelo Bonfá cantando “O Teatro dos Vampiros”. Só não consigo entender a necessidade de se repetir duas vezes uma mesma música (“Será”) em um show de 50 minutos, levando-se em conta o fato de a Legião ter, pelo menos, uns 40 clássicos.

A Shakira, por sua vez, não tem condições de fechar uma noite de Rock in Rio. Um encerramento com Ivete Sangalo teria sido muito mais digno. E o Guns n’ Roses...a segunda banda mais votada pelo público (a primeira foi o System Of A Down)...Bem, depois de duas horas de espera debaixo de uma chuva de quinto ato do Rigoletto, como dizia Nelson Rodrigues, eis que Axl Rose surgiu no palco para um dos maiores micos da história do Rock in Rio.

Quem elogiou o show certamente não é fã do Guns n’ Roses. Quem respeita a história da banda sentiu vergonha (e pena) do que viu.

Em 2013 a gente volta a falar de Rock in Rio. Combinado?

TOP 5: PARA ESQUECER

5) Claudia Leitte na primeira noite do Rock in Rio

4) O som no Palco Sunset

3) As filas imensas da primeira semana, para entrar na Cidade do Rock e para comprar qualquer coisa

2) Shakira encerrando a antepenúltima noite do festival

1) Banda cover do Guns n’ Roses fechando a quarta edição do Rock in Rio

TOP 5: PARA NÃO ESQUECER

5) O Red Hot Chili Peppers se apresentando no exato dia em que seu álbum “Blood Sugar Sex Magik” completou 20 anos

4) A Cidade do Rock, lindíssima

3) A homenagem do Metallica ao baixista Cliff Burton, cuja morte completaria 25 anos dois dias após o show

2) Os headliners que não foram (mas poderiam ter sido): System Of A Down, Slipknot e Sepultura

1) Stevie Wonder deitado no palco solando “How sweet it is (To be loved by you)” na sua keytar

*Luiz Felipe Carneiro é jornalista, autor do livro “Rock in Rio - A história do maior festival de música do mundo” e escreve no site Esquina da Música