Você está aqui: Página Inicial / Cultura / O sutiã-joia de Adeguimar Arantes pelo combate ao câncer de mama

Cultura

O sutiã-joia de Adeguimar Arantes pelo combate ao câncer de mama

por Ana Ferraz publicado 21/10/2015 22h39
Joalheira buscou inspiração no Cerrado para a peça que traz uma onça de ouro amarelo como símbolo da campanha
Divulgação
O sutiã-joia será doado à instituição de Barueri

O sutiã-joia será doado à instituição de Barueri

Em 2014, um colar de ouro amarelo de onde brotavam flores de aroeira lapidadas em 237 quilates da rara e valiosa gema morganita, pontilhada por brilhantes, foi a sensação do Outubro Rosa.

A joia única, feita especialmente para causa tão sensibilizadora, saiu da criativa prancheta da designer goiana Adeguimar Arantes, que há 15 anos colabora com a iniciativa que visa a alertar as mulheres para a prevenção do câncer de mama.

Neste ano, a joalheira que busca inspiração no Cerrado onde nasceu recorre a uma das mais preciosas e desejadas pedras do mundo, a esmeralda. Revestido de diáfana seda, o sutiã-símbolo da campanha 2015 traz nas alças fios de esferas de esmeraldas e as Lapidadas em navete e redondas são de excelente qualidade garimpadas em Campos Verdes, Goiás, cidade detentora de uma das maiores jazidas do planeta.

No centro da peça, na divisão entre os seios, uma onça de ouro amarelo exibe olhos verdes faiscantes delineados por nove brilhantes de cada lado. Como se fosse um colar, a fera carrega 14 esmeraldas no pescoço.

A ideia de colocar o felino como símbolo da campanha que visa a dar mais visibilidade às ações do Núcleo de Combate ao Câncer de Mama de Barueri, São Paulo, deriva de um jeito popular em Goiás de se referir a uma mulher quando fica brava, “ela virou uma onça”.

Para a joalheira, esse é o recado a ser dado às pacientes detectadas com a doença: “Vire uma onça e enfrente o problema com a ajuda da medicina”. Daí a opção pela esmeralda, pedra-símbolo da profissão.

A seguir os mandamentos que há 31 anos orientam o caminho profissional de Adeguimar, para quem luxo é sinônimo de reutilizar, jamais desperdiçar, o ouro 750 a partir do qual a onça foi esculpida veio de correntinhas e brincos infantis de Aidê Cardoso, diretora do Núcleo de Combate ao Câncer de Mama de Barueri e da purificação do lixo de  oficina- Ateliê da Artista.

As esmeraldas foram lapidadas no Centro de Gemologia de Goiás há 30 anos e pertencem a uma reserva especial da designer. Como nos anos anteriores, o sutiã-joia será doado à instituição de Barueri.