Você está aqui: Página Inicial / Cultura / O francês de corpo e alma

Cultura

Calçada da Memória

O francês de corpo e alma

por José Geraldo Couto — publicado 25/12/2011 13h37, última modificação 25/12/2011 13h42
Jean Gabin foi o “o herói trágico por excelência do cinema francês de antes da guerra”
Jean-Quai

O talento superou o tipo destinado a papéis de operários

Muito antes de Gérard Depardieu, houve Jean Gabin (1904-1976), ator de tipo igualmente rude, caloroso e cheio de vigor. Ele foi, segundo o célebre crítico André Bazin, “o herói trágico por excelência do cinema francês de antes da guerra”.

Nascido em Paris, filho de artistas de café-concerto, Gabin estreou nos palcos aos 15 anos e fez um pouco de tudo: cantou e dançou em cabarés, atuou em operetas, no teatro de variedades, em cassinos.

No cinema, começou como extra ainda em filmes mudos, mas floresceu nos anos 30, atuando em obras de Renoir, Carné, Duvivier e outros. Seu tipo físico virilmente plebeu poderia destiná-lo a papéis de operários e camponeses, mas seu talento lhe permitiu encarnar aristocratas, ladrões, políticos, detetives.

A ocupação de Paris pelos nazistas, em 1940, interrompeu sua carreira no auge. Foi para Hollywood, onde o que aconteceu de mais relevante foi seu breve caso com Marlene Dietrich.

De volta à Europa, lutou na Resistência e, depois, comocomandante de tanques no exército da França libertada. Recebeu a Legião de Honra da França em 1960.

Entregou-se depois da guerra aos melodramas  e filmes de rotina, com ocasionais e brilhantes exceções, como Le Plaisir (1952), de Max Ophüls, French Cancan (1954), de Renoir, e Os Gangsters da Casaca (1963), de Henri Verneuil, em que contracenou com Alain Delon.

Seu último filme marcante foi Le Chat (Pierre Granier-Deferre, 1971), baseado em livro de Georges Simenon, que lhe valeu o Urso de Prataem Berlim. Segundoo poeta e roteirista Jacques Prévert, Gabin manteve intacto até o fim “o olhar sempre azul e ainda infantil”.

A Grande Ilusão (1937)

Na Primeira Guerra, oficiais franceses são capturados pelo capitão alemão Von Rauffenstein (Erich von Stroheim). Entre eles estão o aristocrático De Boieldieu (Pierre Fresnay) e o tenente Maréchal (Jean Gabin), que era mecânico na vida civil. Estudo sutil de Renoir sobre as supranacionais relações de classe. Obra-prima.

Cais das Sombras (1938)

Soldado desertor (Gabin) esconde-se no cais deLe Havre, com intenção de fugir do país. Mas se apaixona por uma linda garota (Michèle Morgan) assediada pelos canalhas locais, incluindo seu suposto protetor (Michel Simon). Filme sombrio e estilizado de Carné traduz a angústia dos franceses às vésperas da guerra.

Os Gangsters da Casaca (1963)

Ladrão veterano (Gabin) sai da cadeia e convence um ex-companheiro de cela (Alain Delon) a darem um último golpe:
o roubo do cofre de um cassino de Cannes. Desavenças, o azar e a falta de profissionalismo do jovem ladrão fazem as coisas darem errado
neste belo policial de Verneuil.