Você está aqui: Página Inicial / Cultura / O choro é livre

Cultura

Crônica do Menalton

O choro é livre

por Menalton Braff publicado 06/05/2013 12h16, última modificação 06/05/2013 14h51
Nunca mais li comentários a respeito das crônicas que escrevo. Minha saúde melhorou muito desde então. Por Menalton Braff
O estilingue

O estilingue. Foto: Galeria de Lindomar Cruz/Flickr

Quando publiquei aqui, na CartaCapital, as primeiras crônicas, tive a curiosidade de voltar à cena do crime (metáfora) para ver o que as pessoas comentavam. Eu recebia pedradas (metáfora) e respondia com pedradas. Mas cansei e não voltei mais para ver o que andavam dizendo de mim.

Minha decisão de não ler mais os comentários, que me relevem os leitores inteligentes, foi depois de ler comentários estapafúrdios de pessoas que não tinham o menor conhecimento do assunto e se punham a criticar o que estava escrito. Isso foi decisivo na minha decisão. Apenas como exemplo: o assunto era literatura, assunto que lecionei durante cerca de trinta anos e estudei alguns anos antes de lecionar. Claro que isso não significa quase nada, mas suponho ter a obrigação de saber disso um pouco mais do que uma pessoa que nunca abriu um livro na vida. Pois olhe, muitos dos comentários eram de pessoas que, pela qualidade de sua escrita, não tinham um só livro em casa, nem para enfeitar a estante da sala.

Nunca mais li comentários a respeito das crônicas que escrevo. E garanto a vocês, minha saúde melhorou muito desde então. Além disso, me deu vontade de escrever esta crônica metalinguística.

Então, agora é assim, eu escrevo, a CartaCapital publica, alguns leitores discordantes me jogam pedra, mas não me acertam, porque estou muito longe e protegido contra agressões.

Aprendi, nesses meses em que cronifico por aqui, que o Nelson Rodrigues tinha razão: a unanimidade é burra. Ora, e em sendo assim, não posso esperar que todos estejam de acordo com minhas opiniões. Não me julgo um ser divino, tampouco um escrivinhador genial. Pelo contrário, me considero uma pessoa das mais comuns que andam por aí. Em resumo: não sou dono da verdade. Discordâncias sempre haverá. Mas não eram as discordâncias que me atenazavam. Com essas sempre contei, que não sou tão bobo assim. O que me afastou dos comentários de leitores foram as agressões grosseiras, sem nenhuma elegância, com que procuravam me atingir.

Me desculpem os dois parênteses do primeiro parágrafo. É que, no período em que lia comentários, acabei descobrindo que uma boa parte dos leitores só conhece a leitura referencial, denotativa. E esses poderiam me considerar um criminoso de alta periculosidade, procurado pela Polícia Federal, pela Interpol, perseguido pelo mundo todo. A não ser que se queira considerar o humor de uma crônica um crime contra os bons costumes, me considero um cidadão a salvo da justiça. E as pedradas, sim, as pedradas são em sentido figurado. Meu corpo, esta materialidade que me leva para onde preciso ir, jamais sofreu dano algum de leitores enraivecidos.

Tenho a consciência de estar escrevendo para a minoria, mas essa também me merece alguma atenção.