Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Narrativa de esperanças

Cultura

Cinema

Narrativa de esperanças

por Eduardo Graça — publicado 15/12/2011 11h24, última modificação 16/12/2011 11h29
Após um período de isolamento, Cameron Crowe retorna, numa comédia romântica clássica, para contar a reinvenção de um homem obrigado a enfrentar as perdas da maturidade
plural cinema

Cameron Crowe retorna numa comédia romântica clássica, para contar a reinvenção de um homem obrigado a enfrentar as perdas da maturidade

De Nova York

Protagonista de Jerry Maguire – A Grande Virada e de Vanilla Sky, Tom Cruise decidiu visitar, numa típica tarde azulada de Los Angeles, a locação da nova empreitada de Cameron Crowe, Compramos um Zoológico, a partir do dia 23 nos cinemas brasileiros. A estrela de Missão Impossível sabia que encontraria o amigo no melhor dos espíritos, provavelmente selecionando as músicas que gosta de tocar quando filma cenas cruciais. No set, Matt Damon vive o jornalista britânico Benjamin Mee, que trocou as reportagens de aventura pela administração do semiabandonado zoológico de Dartmoor, em Plymouth, parte do processo de recuperação da família pela perda precoce de sua mulher. Scarlett Johansson é a zeladora capaz de balançar o coração do recém-viúvo.

O filme é uma adaptação do livro de memórias de Mee, com a ação transportada da chuvosa Grã-Bretanha para a ensolarada Califórnia. “Tom apareceu justamente no dia em que iríamos filmar a cena do beijo. Pensei: isso vai complicar tudo, as atenções agora vão se voltar para ele. Mas acho que sua presença deu um quê de competitividade saudável e os takes foram ficando cada vez melhores. E o escolhido para o filme é justamente aquele em que Tom gritou, animado, no fim: ‘Agora sim, tá bom!’”, diz Crowe, sorrindo, em suíte do Ritz-Carlton, em Manhattan.

 

Lá se vão 15 anos desde o lançamento de Maguire, muito provavelmente, ao lado de Quase Famosos, o filme mais reverenciado de Crowe. Depois de Tudo Acontece em Elizabethtown, em 2005, fiasco de crítica e público, o diretor de 54 anos isolou-se em um movimento de reencontro consigo mesmo. Em 2008, separou-se, depois de 24 anos de casamento, de Nancy Wilson, famosa nos anos 80 por sua banda de pop rock Heart, com quem tem um filho de 11 anos. Foi o amigo Tom Cruise quem o tirou de casa, em outra tarde californiana, para “dar uma volta pela cidade”. “Não é que ele me encontrou exatamente em uma posição fetal? Sim, estava deprimido”, confessou o diretor em recente entrevista a The New York Times.

*Leia matéria completa na Edição 677 de CartaCapital, já nas bancas