Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Morre em São Luís (MA) o carnavalesco Joãosinho Trinta

Cultura

1933-2011

Morre em São Luís (MA) o carnavalesco Joãosinho Trinta

por Redação Carta Capital — publicado 17/12/2011 12h46, última modificação 17/12/2011 13h01
Um dos maiores carnavalescos brasileiros estava internado desde o dia 3. Tinha 78 anos

O carnaval perdeu na manhã deste sábado (17) um dos maiores baluartes de sua história. Morreu o carnavalesco João Clemente Jorge Trinta, o Joãosinho Trinta, por conta de um choque séptico reagente a pneumonia e infecção urinária. Ele tinha 78 anos.

O carnavalesco estava internado desde 3 de dezembro no hospital UDI, de São Luís (MA). O enterro está previsto para a manhã da próxima segunda-feira (19). O velório ocorrerá no Museu Histórico e Artístico do Maranhã.

Escriturário no Maranhão durante a adolescência, Joãosinho Trinta mudou-se para o Rio de Janeiro em 1951, aos 18 anos. E foi na então capital federal onde tornou-se bailarino, artista plástico e cenógrafo, sempre ligado com o mundo das escolas de samba e, naquela época, com a Acadêmicos do Salgueiro. Era assistente do mítico carnavalesco Fernando Pamplona.

Pamplona, Joãosinho Trinta ( que assumiu o cargo de carnavalesco do Salgueiro em 1974) e poucos outros transformaram o espetáculo popular de rua brasileiro. Até os anos 1960, os desfiles das escolas de samba eram marcados por passistas e fantasias, com muito improviso, porém nem tanta criatividade. A partir dos anos 1960, carros alegóricos, alas delimitadas e coreografrias específicas foram introduzidas ao desfile, para detalhar o enredo. A criatividade dos carnavalescos passou a um novo patamar, mais alto e notadamente mais artístico.

Joãosinho Trinta trocou a Salgueiro pela Beija-Flor de Nilópolis em 1976, onde ficaria até 1992. E foi na Beija-Flor que Trinta protagonizou talvez o momento mais impactante da história do carnaval de escolas de samba brasileiro. No desfile de 1989, ele criou um carro alegórico com a imagem de Jesus Cristo vestido de mendigo, símbolo do enredo da escola naquele ano, "Ratos e urubus, larguem minha fantasia". A Liga das Escolas de Samba proibiu a alegoria. A escola desfilou com o Cristo coberto, causando grande impacto. A escola ficou em segundo lugar naquele ano, atrás da Imperatriz Leopoldinense.

Joãosinho Trinta também foi carnavalesco da Viradouro (entre 1994 e 2000), Grande Rio (2001-2004) e Vila Isabel (2005), antes de se aposentar. E 2006, mudou-se para o Distrito Federal, onde tentou se eleger deputado distrital, sem sucesso.

Sua saúde vinha delibitada há vários anos. Já sofrera dois derrames, em 1997 e 2004.

registrado em: ,