Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Jimi Hendrix, sozinho no palco

Cultura

The Observer

Jimi Hendrix, sozinho no palco

por The Observer — publicado 13/08/2010 01h57, última modificação 13/08/2010 17h01
A mulher do guitarrista lembra seu lado “divertido e encantador”
plural_hendrix_

Hendrix nos anos 60, e com Kathy. Eles brigaram, ela virou canção

A mulher do guitarrista lembra seu lado “divertido e encantador”

Em 21 de setembro de 1966, um jato da Pan Am vindo de Nova York pousou no aeroporto de Heathrow, em Londres, trazendo entre os passageiros um músico norte-americano negro de família pobre, pouco conhecido em seu país e estranho na Inglaterra. Chamava-se James Marshall Hendrix. Em 18 de setembro de 1970, quatro anos depois, o London Evening Standard estampava  na primeira página uma foto de Hendrix tocando em um show no festival da Ilha de Wight, apenas 18 dias antes. O texto contava que ele tinha morrido naquela manhã em um hotel de Notting Hill.

Durante os três anos e 362 dias em que viveu na capital inglesa, Hendrix havia desenvolvido a música mais extraordinária já tocada em uma guitarra. O 40º aniversário de sua morte será marcado pela abertura de uma exposição de objetos e memorabilia no único lugar que ele chamou de lar, um apartamento acima do que foi ocupado um dia pelo compositor Georg Friederich Handel, na Brook Street, centro de Londres. O apartamento será aberto ao público por 12 dias em setembro, e fala-se em projetos de um museu conjunto. Participa das discussões a mulher com quem Hendrix viveu no apartamento superior do nº 23 da rua, Kathy Etchingham.

Em uma rara entrevista por telefone, Kathy diz: “Quero que ele seja lembrado pelo que foi, não como a figura trágica em que se viu transformado. Ele era divertido, encantador”. Quando ela conheceu Hendrix (na noite em que chegou em Londres), ele já tinha vivido interessantes, embora frustrantes, 23 anos. Era filho de um pai carinhoso, mas não muito, e de mãe morta quando ele tinha 15 anos. Hendrix a adorava e ela seria o foco de duas de suas grandes baladas, Little Wing e Angel.

*Confira a íntegra deste conteúdo na versão impressa.