Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Garrafa ao mar

Cultura

Crônica

Garrafa ao mar

por Redação Carta Capital — publicado 25/01/2012 11h59, última modificação 25/01/2012 18h52
Quando vejo aquelas pessoas reunidas em Porto Alegre tentando entender o mundo e propor mudanças, confesso que me sinto feliz
melancolia

'Se é para diminuir as distâncias, quem vai fazê-lo?'. Foto: 3oheme/Flickr

Por Menalton Braff

 

Ontem acordei melancólico. Sofri, talvez, uma recaída do espírito juvenil, e me senti como se estivesse carregando o mundo nas costas. Mas também não sei se era essa a razão daquela tristeza não localizada e sem causa aparente. Porque é isso a melancolia. Pelo menos é o que se aprende na diferença que o Freud faz entre ela e o luto. E como a cama estivesse pesada, resolvi levantar para enfrentar as agruras da vida.

Estava tomando café, olhos boiando na superfície marrom, quando fui perturbado pela primeira pergunta. Bem provável ter sido a mesma que mexera em meu humor na hora de acordar. E se você está pensando em frescura existencial do tipo “de onde vim, para onde vou, quem sou eu?”, etc. que nos caracterizam a adolescência, como a pergunta que me perturbou, sinto dizê-lo,  mas seu pensamento sofre de leviandade. Isso não são perguntas que em perfeita sanidade se faça depois dos vinte, não é mesmo?

A pergunta da maior gravidade que me fiz foi: É possível melhorar o mundo? E antes de pensar em uma resposta positiva ou negativa, percebi que era preciso determinar em que me parecia que o mundo carece de melhora.

Cheguei à conclusão de que a vida do homem em sociedade não é lá grande coisa. Dominantes e dominados, possuidores e despossuídos, letrados e iletrados, os que trabalham e os que se divertem, os que gozam a vida e aqueles que a sofrem. Ninguém vai me convencer de que o mundo está bem organizado. Além do Cândido, só um vizinho meu, que não conhece o Voltaire, consegue acreditar.

Então, pensei, diminuir as distâncias que separam uns homens dos outros, eis aí alguma coisa que deveria melhorar. Tomei um gole de café e me senti no caminho certo, estava conseguindo racionalizar uma de minhas preocupações.

Um peso a menos. Foi quando me lembrei de que há mais perguntas a responder antes de decidir pelo sim ou pelo não à primeira pergunta. Se é para diminuir as distâncias, quem vai fazê-lo?

O tempo, a escola, a política, as igrejas, quem? Pois o tempo é uma coisa mais do que antiga, a escola é mais moderna, mas já soma alguns séculos (para não contar com as academias gregas), a política nasceu com o segundo homem, porque um só nunca está em relação, e as igrejas, em algumas de suas formas, são milenares. E as distâncias não diminuem.

Descobri que além dessas, existiam muitas outras perguntas sem resposta. Saí de casa um pouco frustrado, mas com a sensação de que existe resposta, sim. Me auscultei durante o caminho, quando descobri que não sou diferente de pelo menos noventa por cento dos cidadãos, e encontrei num canto da consciência essa vontade de ver um mundo melhor. Mas fiquei quieto, como faz a maioria, pois tais pensamentos são tidos por muitos como ridículos, são pensamentos iluministas e o Iluminismo está morto e enterrado, e o Fukuyama decretou o fim da História, quem é que não sabe?

E você, o que acha? É possível melhorar o mundo?

Quanto a mim, tenho lá minhas dúvidas, mas quando vejo aquelas pessoas reunidas em Porto Alegre tentando entender o mundo, propor mudanças na vida, preocupados e insatisfeitos com o que existe, confesso que me sinto feliz.

registrado em: