Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Ele vê gente morta

Cultura

Cinema

Ele vê gente morta

por Eduardo Graça — publicado 14/10/2012 17h47, última modificação 14/10/2012 17h47
Celebrado pela crítica por Coraline e o Mundo Secreto, o estúdio Laika volta com ParaNorman, desde setembro nos cinemas brasileiros, sucesso com cerca de 311 mil pagantes
paranormanpost

Artesanal. O estúdio criou 290 mil expressões para Norman

Celebrado pela crítica por Coraline e o Mundo Secreto, o estúdio Laika volta com ParaNorman, desde setembro nos cinemas brasileiros, sucesso com cerca de 311 mil pagantes. “Um número 50% maior do que nossas expectativas”, diz César Silva, diretor-geral da Paramount Pictures do Brasil, responsável pela distribuição. Nos EUA, a fita amealhou 54 milhões de dólares.

A história do menino capaz de se comunicar com seres do além, habilidade fundamental para salvar a cidade de uma invasão de zumbis, fantasmas e bruxas, traz as digitais do estúdio independente: produções artesanais, focadas na técnica de stop motion.

Em visita à sede do Laika, em Portland, CartaCapital  presenciou o momento em que os diretores Chris Butler e Sam Fell davam os toques finais ao filme, uma caprichosa produção em que o personagem principal conta com 290 mil expressões faciais.

Paranorman
Chris Butler e Sam Fell