Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Contra a dublagem, em nome da arte

Cultura

Crônica

Contra a dublagem, em nome da arte

por Tão Gomes — publicado 14/02/2012 14h01, última modificação 06/06/2015 18h21
A campanha #DubladoSemOpçãoNão já coletou mais de 3.500 assinaturas e os insatisfeitos protestam ainda no Facebook e Twitter.
bruxas-de-eastwick2_filme

O que dizer então da voz de um Jack Nicholson quando incorpora o demônio em as “As Bruxas de Steawick”?

Está correndo na internet uma espécie de manifesto contra a dublagem dos filmes que passam nos canais pagos.

A campanha #DubladoSemOpçãoNão já coletou mais de 3.500 assinaturas e os insatisfeitos protestam ainda no Facebook e  Twitter.

Segundo os líderes dessa mobilização o problema não é propriamente a dublagem, em si. Mas com o fato das emissoras não deixarem opção aos assinantes.

A preferência por filmes dublados vem da constatação em pesquisa de que o telespectador prefere essa opção.

E como  quem  comanda o mundo é o mercado (até inventarem outra solução), as emissoras se submetem a essa maioria.

A  tendência tem se agravado com a emergência da chamada “classe C”, que teria dificuldades em acompanhar a leitura das legendas.

Nos últimos tempos, com a ascensão da classe C, o número de consumidores da TV fechada subiu.

Aí é que começa o “imbróglio” .

Ser contra a dublagem e a favor dos filmes legendados passa a ser visto como uma atitude elitista.

Mas convenhamos que, para alguém que curta o cinema, ouvir a voz do intérprete pode ser fundamental.

Vamos a alguns exemplos, de clássicos do cinema. Começando com uma voz que sequer é humana, a do “personagem” Hal, o robô rebelde de “2001, Odisséia no Espaço”.

Talvez fosse necessário convocar o nosso prezado Zé do Caixão para , depois de treinos exaustivos, conseguir a mesma soturna inquietação que Hal provoca no espectador à cada vez em que se manifesta.

Não é fácil imitar a voz de um robô dirigido por Kubrick.

O que dizer então da voz de um Jack Nicholson quando incorpora o demônio em as “As Bruxas de Eastwick”?

Não sou diretor de cinema, mas acredito que, pelo menos em alguns casos, ele deve cogitar se um certo ator tem a voz adequada para determinado papel.

Imagino que F.F. Copolla, ao compor o personagem do coronel que surta em “Apocalypse Now”, tivesse em mente a figura e o tom de voz de Marlon Brando.

E no caso da voz de Brando como Don Corleone?

A preocupação com a voz do “capo” mafioso foi tanta que levou Brando a encher a boca com chumaços de algodão nas suas falas.

Seria ocioso lembrar obras-primas da história do cinema que perderiam grande parte do seu impacto se tivessem sido dubladas.

Quem, treinado ou não, seria capaz de “imitar” a inesquecível voz de Marilyn Monroe em “O Pecado Mora ao Lado” ?

E a voz daquele tremendo ator, Joe Pesci, que praticamente só tem uma palavra no seu repertório, “fuck you”.

Aliás, como traduzir essa expressão?

E o coronel cego Al Pacino, no seu enfático discurso anti-conservador nas cenas finais de “Perfume de Mulher”?

Vamos a outro caso extremo. Quem seria capaz de dublar o Mario Moreno , o Cantinflas, na hora em que ele dispara sua metralhadora giratória de puro e genial besteirol?

E quem dublaria o fantástico Totó, e seu italiano peculiaríssimo?

Não, meus amigos, no caso não se trata de ser metido a intelectualóide ou elitista.

Em cinco anos, as tevês pagas saltaram de 4 para aproximadamente 12 milhões de brasileiros.

Essa audiência prefere ver filmes dublados. Perfeito. Mas dêem aos que gostam do cinema como ele é a opção de respeitarem a obra de arte.

Há meios para as emissoras colocarem no ar as opções: 1 – som original, com legendas; 2 – dublado em português.

Como se fosse um DVD qualquer, até mesmo uma cópia pirata.