Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Continuo em campanha

Cultura

Refogado

Continuo em campanha

por Marcio Alemão publicado 15/09/2010 09h30, última modificação 15/09/2010 09h30
Por uma nação mais bem preparada gastronomicamente

Por uma nação mais bem preparada gastronomicamente

A revista Veja publicou seu caderno especial sobre os melhores da gastronomia, segundo variados jurados de variadas crenças e habilidades.

A edição de São Paulo traz resultados tão emocionantes e surpreendentes quanto uma corrida de Usain Bolt contra valentes feijões mexicanos.

E, por enquanto, o espetáculo anunciado da gastronomia verde-amarela não mostrou sua cara. Talvez não tenham avisado aos jurados que estamos fazendo uma revolução sem precedentes nessa área. Na bolsa de mercadorias de Chicago, o umbu começa a ser considerado uma possível vedete. Aguardemos. Terá de enfrentar o lobby pesado da laranja.

Lembrei-me de um guru de outros tempos, tempos de paz e amor. Ele trocou Londres por Paris. Foi questionado. Sempre e sempre todos querem saber por que fazemos o que fazemos, quando se tem alguma importância na mídia, claro. Respondeu aos interessados: Londres tem muitas religiões e apenas um molho. Paris tem uma única religião e muitos molhos.

Se vivo, fa-lo-ia cabo eleitoral.

Um de meus prediletos aforismos do Brillat-Savarin: o destino das nações depende da forma como elas se alimentam. Mas pouco se fala no assunto. Ainda muito poucos comem? Nem sei mais se acredito nisso. Acho que não. Em meio a tanta pujança, será? Em último caso sempre é possível fazer uma sopinha com a tevê de LCD ou fatiar os pneus do carro novo.

Continuo brincando, mas o assunto continua sendo sério.

Caso clássico: Jamie Oliver tentando mudar a cara da merenda escolar. Tentou primeiro em sua terra natal, na Grande Bretanha. Tomou paulada de todos os lados, mas conseguiu chamar a atenção da mídia, dos pais, de  todo o país. Cheguei a fazer um Refô sobre o assunto há anos. Agora ele foi para a América e o canal pago GNT tem mostrado a nova aventura Jamie’s Food Revolution.

Vamos deixar de lado o aspecto espetáculo. Vamos não levar tão a sério os episódios que mostram pessoas se revelando insuperáveis idiotas apenas para que fiquemos com muita raiva delas e engrossemos o coro: “Jamie! Jamie! Jamie! Só você nos salvará!” Para o show talvez tudo isso seja necessário. Os minimamente preparados percebem rapidamente que o que está estabelecido é chocante, criminoso. Ao mesmo tempo que sabemos que mudar esse porta-aviões de lugar não é bolinho. Resultados já existem da primeira campanha. O aprendizado melhorou. Faltas caíram. Idas à enfermaria diminuí-ram. E tudo porque as crianças começaram a se alimentar melhor.

Anotem, leitores e leitoras, o que vou dizer não pela primeira vez: a nova revolução da gastronomia será a procura pela comida funcional de qualidade e toda a pesquisa que ela vai demandar. E a briga promete ser feia até porque acredito que para alguns haja interesse em continuar vendendo milhões de comprimidos antiácidos. Levamos décadas para eliminar a gordura trans de boa parte das comidinhas do dia a dia. Não mais será tão lenta a mudança. Todos querem viver mais e melhor. Pela boca esse processo acontece de maneira eficiente.

Brinquei, mas era séria a história de colocar chefs nas salas de aula. Chefs e professores de comida. Comer Bem poderia ser o nome da matéria. E seria obrigatória. Alguém ainda vai me prestar o favor de fazer contas para que eu possa dizer quanto o governo economizaria e lucraria ao formar gerações mais saudáveis. E deixando de lado esse discurso que realmente parece coisa de palanque, quando tivermos uma nação mais bem preparada do ponto de vista gastronômico, as revistas terão concursos com resultados mais interessantes para nos oferecer.

Outra para anotar e me cobrar mais tarde: chefs estarão cada vez mais comprometidos com causas. A escolha será variada. Jamie abraçou a alimentação da garotada. Outros já refogam a sustentabilidade como prato principal e muitas outras justas causas aguardam a notável adoção. E eu, para que não fique dúvida, sou pró. Com certeza, muitos vão cozinhar bem melhor em outras áreas.