Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Mostra traz "Infância Clandestina" e "Marighella"

Cultura

Cinema pela Verdade

Mostra traz "Infância Clandestina" e "Marighella"

por Redação — publicado 23/06/2013 17h28, última modificação 24/06/2013 09h35
Filmes trazem perspectivas mais individuais e menos documentais do que foi o período de repressão no Brasil
Divulgação
Carlos Marighella

Em novembro de 1969, Carlos Marighella caiu numa na alameda Casa Branca, em São Paulo, e foi assassinado

A Mostra Cinema pela Verdade chega ao Rio de Janeiro na próxima semana com sessões dos filmes Infância Clandestina, de Benjamín Avila, Marighella, de Isa Grinspum Ferraz, na terça-feira 25 e na sexta-feira 26 de junho. As apresentações acontecem no campus IFCS, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), seguidas de debates – no primeiro dia com o professores Demian Melo e Adriana Facina, ambos da UFRJ, e no segundo dia com o filho de Carlos Augusto Marighella, filho de Marighella.

O projeto é uma iniciativa da Comissão da Anistia, vinculada ao Ministério da Justiça, por meio do edital “Marcas da memória”, que apóia a realização de projetos que façam um resgate da história recente do Brasil.

Para Juliana Pestana, coordenadora da mostra, o contexto de manifestações populares, com questionamentos da população em diversos setores do País, aumenta a atualidade da mostra. “A temática da ditadura e da repressão dos militares nas ruas nunca foi tão atual. A gente ganha sim forças pra falar junto, explicar o contexto histórico de tudo isso”.

Juliana ressalta a importância das comissões da verdade na execução do projeto. "Apesar de não estarem vinculadas diretamente à mostra, as comissões estaduais são parceiras nas execuções. Elas ajudam na elaboração dos debates e, muitas vezes, dispõem de seus membros para conduzirem as rodas de conversa".

A mostra começou em maio e acontecerá simultaneamente em universidades dos 27 estados da federação até o mês de agosto. Em cada um deles, um universitário se responsabiliza por ser o agente mobilizador, quem organizará os debates e, o mais importante, quem irá divulgar o evento para os alunos. No Rio de Janeiro, a agente é Clarice Green, 23 anos, estudante de Ciências Socias na UFRJ.

“Por mais que já tenha passado alguns anos, o debate sobre a revisão da lei da anistia é muito presente. As feridas ainda não estão cicatrizadas”, diz Clarice. “Queremos resgatar a memória, a partir de filmes que são menos generalistas. Os filmes que trazemos foram concebidos a partir de pontos de vista de experiências individuais e menos documentais”.

Para ela, é uma oportunidade de repensar o que é a tortura e o que é a repressão no Brasil. “Uma das coisas que esse festival tem de bonito é resgatar um debate que a sociedade acredita estar superado, mas não está. A gente vive em um País que tortura muito, mas as pessoas não falam”, diz ela. “A ação da polícia é temerária há muito tempo. E não só: é a mesma polícia desde a ditadura”.

25 de junho, terça-feira
14h - Infância Clandestina, de Benjamín Avila
Local: UFRJ, prédio IFCS, térreo, Sala 106 (Auditório)
Capacidade do local: 150
Endereço: Largo de São Francisco n° 1 - Centro.
Debatedores: Professor de História da UFRJ, Demian Melo e Adriana Facina.

26 de junho, quarta-feira

14h - Exibição do filme Marighella, de Isa Grinspum
Local: UFRJ, prédio IFCS, térreo, Sala 106 (Auditório)
Capacidade do local: 150
Endereço: Largo de São Francisco n° 1 - Centro.
Debatedores: Carlos Augusto Marighella, filho do guerrilheiro que foi um dos principais líderes da resistência contra ditadura militar no país.

registrado em: