Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Cinema brasileiro de graça

Cultura

Cinema brasileiro de graça

por Redação — publicado 04/05/2016 13h49
Beneficiários do Bolsa Família poderão usar aplicativo para ter acesso aos filmes
Gabriel Jabur / Agência Brasília
TV Digital

Torre da TV Digital em Brasília

Até 2018, 60 milhões de beneficiários do Bolsa Família, 14 milhões de inscritos e familiares, poderão assistir gratuitamente filmes brasileiros, atualizados periodicamente.

Isso será possível graças a um aplicativo embutido nos conversores da tevê digital, dentro do programa Quero Ver Cultura, da Secretaria do Audivisual do Ministério da Cultura. A iniciativa, em fase inicial de adoção, tem parceria do Laboratório de Aplicações de Vídeo Digital da Universidade da Paraíba e da Empresa Brasil de Comunicação.

“Estamos fazendo o levantamento do acervo de 20 anos de conteúdo fomentado pelo ministério. Filmes, séries e documentários produzidos e licenciados por emissoras públicas e educativas também deverão compor o catálogo do projeto, além do acervo da Programadora Brasil, Editais BO e DOCTV. Fora os conteúdos nacionais, há interesse em iniciar intercâmbio com a América Latina e Comunidade de Países de Língua Portuguesa”, afirma o secretário do Audivisual, Pola Ribeiro.

A questão do licenciamento dos conteúdos será feita por etapas e o contato com diretoras e produtoras está em andamento. De acordo com o secretário, há empresas interessadas na distribuição gratuita por acreditarem na proposta. 

Segundo o coordenador do Centro Técnico Audivisual, Eduardo Castro, as novas formas de veiculação do conteúdo dependem de uma série de medidas cujo andamento depende da Secretaria do Audiovisual.

Ele preferiu passar a bola para o secretário, Pola Ribeiro. O Projeto Quero Ver Cultura, informa este, vai disponibilizar filmes nacionais de forma gratuita por meio de um aplicativo que virá junto com o conversor da TV Digital a ser distribuído aos beneficiários do Bolsa Família à medida que a tevê analógica for sendo substituída.

A ideia é alcançar até 60 milhões de beneficiários e até 2018 ter todos os aplicativos distribuídos. O acervo a ser compartilhado está em fase de levantamento pelo Ministério da Cultura. O conteúdo passará por processo de licenciamento e isso será feito por etapas.

registrado em: ,