Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Calçada da Memória: Monicelli, frio humorista

Cultura

Cinema

Calçada da Memória: Monicelli, frio humorista

por Rosane Pavam publicado 06/12/2010 16h59, última modificação 08/12/2010 18h11
A ele, não interessavam os finais felizes: aos 95 anos, vítima de um tumor na próstata, um dos maiores diretores de todo o cinema atirou-se do quinto andar do hospital. Por Rosane Pavam
Calçada da Memória: Monicelli, frio humorista

A ele, não interessavam os finais felizes: aos 95 anos, vítima de um tumor na próstata, um dos maiores diretores de todo o cinema atirou-se do quinto andar do hospital. Por Rosane Pavam. Foto: AFP

Não lhe interessavam os finais felizes. E ele preferia encontrar os próprios fins. No dia 29, aos 95 anos, vítima de um tumor na próstata, um dos maiores diretores de todo o cinema atirou-se do quinto andar do hospital San Giovanni, de Roma, para que a morte não o surpreendesse.

Ele era Mario Monicelli, o cômico. Um cômico de pouco sorrir. Não se tornara o rei da comédia apenas por enfrentá-la com encanto popular e burlesco, como em Caros Amigos, mas por mesclar, neste filme e em tantos outros, o humor à amargura. O artista de esquerda, nascido em Viareggio, na Toscana, protestava em suas obras contra os novos monstros  que invadiam a Itália, algo engraçado à primeira vista, mas que deveria ser também encarado com a reflexão do combatente.

Frio como em suas declarações à imprensa, ele fez Alberto Sordi interpretar em Un Borghese Piccolo Piccolo, de 1977, o homem destituído de um saber, de uma profundidade, de um alcance existencial, mergulhado na realização pelo trabalho, que na primeira parte do filme surge, por isso, metido em inevitáveis situações cômicas, mas que, na segunda metade, persegue e tortura o assassino de seu filho.

Esse entender sobre a narrativa e o mundo se repetiria em Parente... É Serpente, clássico dos clássicos da cinematografia, de 1992, no qual a piada rende até que a sordidez apareça. Monicelli e seus amigos, diretores e escritores como Dino Risi e Suso Cecchi d’Amico, não faziam manifestos, mas jantares divertidos nos quais diziam a verdade a qualquer custo. E eram praticamente os únicos.