Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / O novo voo do alucinado

Cultura

CD

O novo voo do alucinado

por Tárik de Souza — publicado 03/05/2016 04h24
"Post Pop Depression", novo álbum de Iggy Pop, ultrapassa os cenários sombrios sugeridos pelo título
Divulgação
Post-Pop-Depression

Iggy Pop e sua equipe enxuta

David Bowie foi o elo entre o proto-punk Iggy Pop e um de seus muitos discípulos, o guitarrista e cantor Joshua Homme, dos grupos Queens of Stone Age, Kyuss e até, eventualmente, do Eagles of Death Metal, tisnado pelo show (em que ele não estava) no Bataclan de Paris, atacado por terroristas. Imantado pelos álbuns Lust For Life e The Idiot, de Iggy, em colaboração com Bowie, na década de 70, Homme acatou a parceria proposta pelo ídolo.

E o resultado reencena o clima dos antecessores, responsáveis pela ressurreição do alucinado fundador dos seminais Stooges. O novo retorno, aos 69 anos, a pele em pergaminho, onde se lê sua vida desregrada de mergulhador nas plateias e autoflagelos em série, ocorre após a partida do mentor, Bowie, evocado na enviezada German Days, comboiada por batidas marciais e coro de navio negreiro.

Com uma equipe enxuta, além de Homme, produtor e multinstrumentista, apenas Dean Fertita, também do Queens, na guitarra e nos teclados, e Matt Helders, do Arctic Monkeys, bateria, Post Pop Depression não se resume aos cenários sombrios prenunciados no título. Como a funesta Vulture (negro urubu adiposo, a cabeça branca pendente/ mastigando carne podre à beira da estrada), agulhada por guinchos de guitarra, e a invasiva Break Into Your Heart (Até entrar na sua pele), onde a voz cavernosa do solista aclimata-se ao rock de garagem dos novos tripulantes de sua nave avariada.

Post Pop Depression. Iggy Pop. Universal

Mas sem conchavos. Se um ensolarado interlúdio dançante (Sunday) desagua numa inesperada valsinha, Iggy forja sua Pasargada longe dos laptops, num utópico Paraguay (um lugar onde as pessoas ainda são seres humanos), de corais assimétricos e percussão intermitente.  Ao cabo, sob tilintares orientais e uma batida seca, American Valhalla adverte: A morte é uma pílula difícil de engolir. 

 

registrado em: , , ,