Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / A jardinagem lírica de Luiz Tatit

Cultura

CD

A jardinagem lírica de Luiz Tatit

por Tárik de Souza — publicado 20/04/2016 04h05
Artista desvela o processo de composição em novo álbum "Palavras e Sonhos"
Divulgação / Gal Oppido
Luiz-Tatit

Tatit eleva sua sonoridade a um onirismo legítimo

A ênfase na ligação umbilical entre a fala e o canto fomentou a revolução musical entoada pelo vanguardista Grupo Rumo, entre os anos 1970 e 1980. Seu principal mentor, o professor aposentado da USP Luiz Tatit, ainda leciona no programa de pós-graduação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, e prossegue com seus experimentos como artista-solo, no quinto título. Em Palavras e Sonhos, produzido por seu filho Jonas Tatit, ele ambiciona empoderar o onirismo.

“O repertório fala dos sonhos que alimentam a criação e das palavras que geram sonhos por contar com a inebriante ação da melodia e do acompanhamento instrumental”, descreve o texto de apresentação. Tatit opera como um arquiteto com os andaimes à vista do público. Com sua voz delicada de leve tremolo, ele desvela o processo da composição, como na dissonante valsa-título: Lá vem você e a pergunta fatal/ como encontrar a palavra ideal/ uso palavras picadas no som/ palavras magoadas de tantas paixões

Esculpe musas esquivas como Diva Silva Reis (Eu nem vou dizer o que ela fez), a de Estrela Cruel (Sempre fora de si/ e eu dentro de mim), em parceria com Marcelo Jeneci, convocado na faixa, e as que povoam a lírica jardinagem de Das Flores e das Dores (com Emerson Leal). Escoltada nas terças de Juçara Marçal, Tristeza do Zé (com Zé Miguel Wisnik) parodia o clima acaipirado do clássico Tristeza do Jeca, mas o sarcasmo valseiro de Feitiço da Fila dribla a referência ao óbvio samba de Noel Rosa.

Palavras e sonhos. Luiz Tatit. Dabliú Discos

Ná Ozzetti, ex-colega do Rumo, paira seu canto falado nos sobrevoos de Planeta e Borboleta. Coautor do fox satírico Matusalém (com Arthur Nestrovski), Tatit sumariza em Quantos Desejos a fome desta época fugaz: quero bastante, quero que sobre/ quero à vontade/ quero que dure, quero sem prazo de validade.

 

registrado em: , ,