Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / Ray Charles: inventiva devoção

Cultura

CD

Ray Charles: inventiva devoção

por Tárik de Souza — publicado 05/05/2016 04h02
O compositor norte-americano também transitou pelo jazz, rock, country e blues
Tritono Blues

O Tritono Blues injeta comentários instrumentais em êxitos do homenageado

Um dos artífices da soul music, o pianista, saxofonista e compositor Ray Charles Robinson (1930-2004) também transitou pelo jazz, rock, country e blues, além de reinventar o canto a partir da aspereza de quem irradia emoções sem o filtro do comedimento.

Fundado como um trio em 2006, o quarteto paulistano Tritono Blues uniu-se em torno da devoção ao ídolo americano, de quem gravou três composições logo no disco de estreia, Groovin, em 2008, reeditado em 2013.

No mesmo ano, sairia um álbum autoral (Mojito do Bom), antes do projeto do disco inteiro dedicado ao repertório entronizado por Ray Charles.

André Carlini (gaita, backing vocals), Bruno Sant’Anna (voz, percussão e kazoo), André Youssef (piano, teclados, acordeon e backing vocals) e Edu Malta (baixo) reciclam em seu inventário a precursora e dissonante I Got a Woman, de 1954, que cintilava no álbum de estreia do Rei do Rock Elvis Presley.

Tritono Blues Plays - Ray Charles. Movieplay

O Tritono Blues injeta comentários instrumentais em êxitos do homenageado, como na sedosa I Can’t Stop Loving You, de Don Gibson, seccionada por um acordeon Zydeco ao estilo sulista e percussão latina de cajon.

A reiterativa Mary Ann, do próprio Ray, seu terceiro petardo a galgar as paradas, é revestida por gaita e sopros. Guitarrista brasileiro destacado na cena do blues americano, Igor Prado reborda Take The Tailfeather, enquanto o standard Unchain My Heart vem cadenciado por um riff funkeado nos teclados.

Réplica do cantor às recomendações de internação, quando sentenciado por uso de drogas, I Don’t Need no Doctor conjuga afronta e balanço nos coros de resposta, elemento rítmico igualmente crucial no bólido Hit The Road Jack.

O megaclássico Georgia on My Mind ganhou tônus jazzístico, neste denso tributo, lapidado entre a reverência e a reinvenção. 

registrado em: , ,