Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / Insubordinação convulsiva

Cultura

CD

Insubordinação convulsiva

por Tárik de Souza — publicado 02/09/2016 12h16, última modificação 04/09/2016 05h02
Monstro, CD de Defalla, acasala trash, insubordinação e psicodelia
Divulgação
Defalla

O Defalla não doura a pílula

Apesar de o nome evocar um músico erudito espanhol (Manuel De Falla, 1876-1946, autor da Dança Ritual do Fogo), o quarteto gaúcho atualmente integrado por Edu K (vocal), Biba Meira (bateria), Carlo Pianta (baixo) e Castor Daudt (bateria) é adepto da fuzilaria rock’n’-roll desde a fundação, em 1986. Em plena década de afirmação das bandas nacionais, o Defalla pontificou na coletânea regional Rock Grande do Sul, ao lado dos Engenheiros do Hawaii, Replicantes, TNT e Garotos da Rua.

A trajetória assimétrica e iconoclasta do grupo, que chegou a flertar com o funk pancadão, em Popozuda Rock’n’roll, deixou-o à margem dos holofotes, embora o pioneiro crossdresser Edu K, em carreira solo, tenha até conseguido projetar-se no exterior. Iniciado na cena pós-punk como Fluxo, o Defalla disparou cinco discos entre 1988 e 1992, em transe imanente, do heavy metal à música eletrônica.

Primeiro registro da banda completa desde um EP de 2003, apenas com Edu K da formação inicial, Monstro acasala trash, insubordinação e psicodelia numa mistura convulsiva. Sou tenso, quase estranho/ viver é meu problema/ odeio gente bombada de proteína, espeta a faixa título, entre vocais fantasmagóricos. Comboiado por guitarras rugosas, Veneno lanceta mais fundo: foi pra deixar de sangrar tanto/ no mesmo lugar/ que outros cortes eu abri.

Monstro. Defalla. Deck

O cenário lúgubre atinge o ápice em Delírios de um Anormal, encerrado num rodamoinho de microfonias: quase sempre vou dormir/ na hora em que os cães começam a latir. Há ainda odes a ícones da expansão da mente, nas faixas nomeadas Aldous Huxley (escritor de As Portas da Percepção), Ken Kesey (Um Estranho no Ninho) e Timothy Leary, professor e cientista, preso durante o governo Nixon por suas experiências coletivas com ácido lisérgico. O Defalla não doura a pílula.

 

registrado em: , ,