Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / A conexão regional de Helder Vasconcelos

Cultura

Música

A conexão regional de Helder Vasconcelos

por Tárik de Souza — publicado 01/08/2016 04h12
Além de seus instrumentos iniciais, o músico desdobra-se ao violão, teclados, baixo, tuba e variadas percussões
Hélder

"Essa trilogia de solos é fruto de uma investigação de 12 anos, de teatro, dança e música "

Um dos pilares do movimento pernambucano mangue bit, nos anos 90, ao lado de Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A, o grupo Mestre Ambrósio teve voo curto, amputado no terceiro disco, em 2004. Helder Vasconcelos, um de seus fundadores, responsável por vocais, percussão e fole de oito baixos, tomou outro rumo, também como ator e dançarino.

Seis meses após a dissolução da banda, ele estreava seu primeiro espetáculo solo, Espiral Brinquedo Meu. Em 2007, montou Por Si Só e, em junho, exibiu Eu Sou, no Sesc Pompeia, em São Paulo. “Essa trilogia de solos é fruto de uma investigação de 12 anos, de teatro dança e música, que tem como cerne o impulso criativo interior, sem fazer distinção entre essas artes”, definiu no texto de apresentação. As músicas desta montagem mais recente estão condensadas no CD Sambador, onde Helder amplia a conexão com o regionalismo, combustível da decolagem de Mestre Ambrósio.  

Sambador. Helder Vasconcelos. Independente

A seu lado, apenas os multinstrumentistas e coprodutores Marco França e Johan Bremmer, e seletos convidados, como a cantora Renata Rosa, nos miasmas vocais de Emaranhado (é todo mundo querendo ser esse mundo/ enquanto o mundo todo é somente um) e o baixo acústico de Walter Areia pontuando a onírica Butterfly, a única faixa em inglês, quase um haicai: Borboleta, borboleta/ se eu não sou o vento/ poderia ser o céu.

Homenageia o ás do setor, Naná Vasconcellos, nas gingas de Leve e Traga, e dedica aos pais o elucidativo Caminho da Venda: Cada um com sua verdade que tem/aquilo que lhe apetece e convém/ mas a verdade verdadeira tá além

*Publicado originalmente na edição 911 de CartaCapital, com o título "Conexão regional"