Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / A aspereza rebordada

Cultura

CD

A aspereza rebordada

por Tárik de Souza — publicado 21/05/2016 05h52
Lançamento do álbum "Moda de Rock II" transfigura clássicos através da viola
Rita Perran/Divulgação
Ricardo-e-Zé

A dupla Ricardo Vignini e Zé Helder

Trazida pelos portugueses, a viola ficou associada ao bucolismo caipira, desafio de repentistas nordestinos e folguedos folclóricos. Por causa disso, foi descartada pelos sertanejos atuais, que se pretendem de índole pop urbana. A partir de Moda de Rock – Viola extrema, de 2010, o paulista Ricardo Vignini e o mineiro Zé Helder reembaralharam as cartas.

Integrantes do grupo Matuto Moderno, com cinco discos lançados e carreiras individuais coexistentes, eles colocaram suas violas a serviço do rock eletrificado de diversos calibres. Do grunge do Nirvana (Smells Like Teen Spirit) ao blues coruscante de Jimi Hendrix (May This Be Love), a epifania beatle (Norwegian Wood) e as rasantes plúmbeas do Led Zep­pelin (Kashmir)

O projeto, iniciado de forma lúdica pelos professores Vignini e Helder para exibir a seus alunos a potencialidade da viola, rendeu excursões no País, Argentina e até EUA. Em Moda de Rock II, a dupla injeta lirismo no áspero punk dos Ramones (We Want The Airwaves), pescado num single obscuro da banda. Os meneios do desafiador I Want To Break Free (John Deacon), do Queen, são lapidados num efeito assemelhado à pedaleira das guitarras.

Moda de Rock II. Ricardo Vignini & Zé Helder. ProAc/Folguedo/Tratore  

Das vertigens do brasileiro Sepultura (Refuse/Resist), num galope quase flamenco, ao balanceio mântrico dos Rolling Stones (Paint It Black) e o intricado contraponto de escalas de Thunderstruck, do AC/DC. Afeitos a alta decibelagem, tanto o Metallica (Fade To Black) quanto o Iron Maiden (Wasted Years) são rebordados com delicadeza e aura erudita. O teor dramatúrgico de Fearless (Pink Floyd) colide, ao cabo, com o registro da ululante torcida palmeirense. Em nova reversão de expectativas, Laguna Sunrise, do Black Sabbath, funde-se ao centro sulista chamamé, rendilhado pelo acordeom de Adriano Magoo. 

 

registrado em: , ,