Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Berlim!

Cultura

Crônica do Villas

Berlim!

por Alberto Villas publicado 23/08/2012 11h28, última modificação 23/08/2012 11h52
Vinte e três anos depois, voltei à capital alemã e senti um leve gostinho de 'Goodbye Lenin' no ar
SONY DSC

Quem teria mandado pintar de cor de rosa os ganchos dos telefones públicos da cidade?

Pode parecer frescura mas confesso que fiquei intrigado com uma coisa em Berlim, vinte e três anos depois. Quem teria mandado pintar de cor de rosa os ganchos dos telefones públicos da cidade? Pouco importa mas que ficaram curiosas aquelas cabines completamente cinzas e os ganchos cor de rosa isso ficaram.

Fui a Berlim quando caiu o muro e voltei agora nesse verão de 2012. O muro! Desde pequeno ouço falar dele. Ainda menino de calças curtas lembro-me bem daquelas radiofotos publicadas pelo Diário de Minas de pessoas tentando pular, tentando atravessar, furar o cerco a qualquer preço. Os soldados armados, os pastores alemães rondando, os arames farpados, uma realidade concreta de tijolo com tijolo num desenho ilógico.

Quando ele caiu em 1989 era curiosa a diferença entre o lado oriental e o lado ocidental. As cores, os outdoors, os automóveis, os McDonald’s e a Coca-Cola de um lado só. Hoje Berlim é uma única cidade em todos os sentidos. Andamos de um lado para o outro, de um canto para o outro e o que vimos?

Vimos as bicicletas que tomaram conta da cidade como se fosse Amsterdã. Os motoristas que respeitam os ciclistas, os ciclistas que respeitam a ciclovia,  os pedestres que respeitam os sinais e  assim vai. Vimos do mais moderno ao mais tradicional. Jovens de cabelos coloridos e senhores de chapeuzinho, sandálias de couro e meia. Vimos também um velhinho que saboreava um delicioso currywurst num quiosque de rua bebendo uma Berliner Kindl Pils  morna apesar do calor de 32 graus à sombra.

Foi na megaloja de departamento KaDeWe que vimos na vitrine um kit cachaça brasileira anunciando: Pitú, premium do Brasil! Foi andando pelas ruas que vimos os protestos em pequenos cartazes colados nos muros: “Walk like an Egyptian!” “Chemtrails? Nein Danke!” e “Free Palestine Arabic”. Foi num passeio ao bairro de Kreuzberg que vimos  uma placa no muro – “No more Yuppies” - num quarteirão inteiro ocupado por velhos hippies, alguns tomando banho nus no rio, na boa.

Foi debaixo de um viaduto, num antigo banheiro público, que comemos o melhor hambúrguer do mundo acompanhado de uma Fritz-Kola bem, bem morninha. Voltei ao museu da DDR, a antiga Alemanha Oriental ,onde reencontramos uma enorme fotografia do então todo poderoso Mikhail Gorbachev beijando o líder alemão Erich Honecker, uma garrafinha de Vita Cola intacta e numa vitrine a Der Spiegel com a queda do muro na capa como se fosse uma peça de museu.

Fiz um passeio virtual de Trabant pelas ruas cinzentas de Berlim Oriental, assisti documentários comunistas em preto e branco mostrados numa TV valvulada e fiquei ali admirando a seleção da DDR que disputou a Copa do Mundo de 74. Lá estava de pé, impávido colosso, o craque Jürgen Sparwasser que naquele 22 de junho marcou o histórico gol da vitória sobre a Alemanha Ocidental.

Claro que fomos ao East Side Museum ver arte ao ar livre exposta a visitação publica no que restou do muro. Foi lá que pisamos na areia de uma praia artificial preparada para o verão dos alemães e vimos muita gente tomando sol e mojito como se estivéssemos num país tropical. Não deixamos de passar no Bauhaus Museum, de ver uma   exposição de fotos da americana Diane Arbus no Martin-Gropius-Bau, de tomar um café da manhã no Balzac Coffee, de comer um yakisoba bem apimentado no Hackesche Market e de comprar um móbile dos músicos de Bremen na feira de antiguidades do Mauerpark.

Em poucos dias Berlim foi isso e muito mais. Deixamos pra trás uma cidade em obras, cheia de guindastes e que se moderniza a cada esquina. Deixamos pra trás coisas curiosas como um balão do jornal Die Welt sobrevoando a estação de metrô de  Karlsplatz, uma senhora dando banho no cachorro numa fonte do parque Monbijou, um dálmata solto na Friedrichstrasse, um casal dançando tango no Gipsy Bar e um leve  gostinho de Goodbye Lenin no ar.

 

registrado em: ,