Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Arte sobre fundo infinito

Cultura

The Observer

Arte sobre fundo infinito

por The Observer — publicado 07/01/2011 10h00, última modificação 07/01/2011 15h05
A atriz Natalie Portman brilha em Cisne Negro e caminha com inteligência pelo estrelato hollywoodiano
LV1F9083.CR2

Como Nina, uma personalidade dividida no filme de Aronofsky

A atriz Natalie Portman brilha em Cisne Negro e caminha com inteligência pelo estrelato hollywoodiano

Em 2006, a atriz norte-americana Natalie Portman renegou a imagem de estrela  de cinema de vida regrada, poliglota e vegetariana, que deixou a carreira de lado enquanto terminava a faculdade, ao afirmar: “Em Harvard, eu fumava maconha todos os dias, colava em todas as provas e cheirava cocaína”. Felizmente ou não, ela estava brincando. As frases eram de um rapper que interpretou no programa Saturday Night Live, da rede NBC. Mesmo em parte censurado (posteriormente o vídeo chegou na íntegra ao YouTube), o quadro atingiu sua intenção satírica. Nele, Natalie fazia uma fogueira rápida das diversas vaidades que a definiam como atriz hollywoodiana equilibrada e composta.

Talvez uma autoparódia proibida para menores seja o único rumo sensato para uma mulher eleita “a vegetariana mais sexy de 2002” pelo Peta (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais). O grupo de pressão elogiou a atriz como “uma vegetariana estrita desde os 8 anos de idade, depois de ver uma demonstração de cirurgia a laser praticada em um frango durante uma conferência médica com seu pai”. Mas todos nós não a aplaudimos? Estrela infantil a caminho da adolescência, ela ficou famosa no fim dos anos 1990 por perder a estreia em Nova York de Guerra nas Estrelas: Episódio I – A Ameaça Fantasma, filme no qual desempenhava o papel-chave da Rainha Amídala. Na ocasião, ela justificava sua ausência dizendo que precisava estudar com afinco para os exames finais do colégio.

Desde então, a carreira de Natalie Portman foi pontilhada por surpresas. A próxima chega com Cisne Negro, um filme de suspense psicológico passado no mundo do balé e dirigido pelo mesmo Darren Aronofsky, de O Lutador, com estreia prevista no Brasil em 11 de fevereiro. No filme, ela interpreta Nina, uma bailarina dedicada e de personalidade dividida, em luta para encontrar o cisne negro interior que a ajude a interpretar o papel principal duplo em uma produção de O Lago dos Cisnes, de Tchaikovski, em Nova York.

*Confira este conteúdo na íntegra da edição 628, já nas bancas.