Você está aqui: Página Inicial / Cultura / A Street Art de Banksy

Cultura

Arte

A Street Art de Banksy

por Camila Alam — publicado 15/03/2011 16h19, última modificação 16/03/2011 13h35
O inglês é um controverso artista, talvez mais conhecido por manter sua identidade em segredo
A Street Art de Bansky

O inglês é um controverso artista, talvez mais conhecido por manter sua identidade em segredo. Por Camila Alam

O inglês é um controverso artista, talvez mais conhecido por manter sua identidade em segredo

Apreciado pelos amantes da chamada Street Art, Banksy (http://www.banksy.co.uk/) é um controverso artista inglês, talvez mais conhecido por ser aquele que mantém sua identidade em segredo. Apesar das especulações da mídia, nunca divulgou seu rosto ou sua voz e nunca faz aparições públicas. Quer dizer, deve fazer, mas ninguém conhece sua fisionomia. Sabemos apenas que é natural da cidade de Bristol, na
Inglaterra.

Acostumado a expor sua arte em locais públicos, nunca deu longas entrevistas. O repórter inglês Simon Hateenstone, do Guardian, jura tê-lo entrevistado. Mas nem ele sabe ao certo se o homem jovem que sentou a sua frente em um pequeno café de Londres é de fato o artista. Banksy se tornou um mistério para seus críticos e amantes, mas fez-se notar por sua assinatura, estampada em diversos trabalhos feitos pelos muros de Londres, Nova Iorque, Barcelona ou Palestina.

Recentemente, às vésperas do Oscar, criou obras que chamaram atenção em Los Angeles. Dirigido por ele, o filme Exit Through the Gift Shop concorria na categoria Melhor Documentário. Não levou, mas o cara sabe fazer propaganda de si mesmo. Além de espalhar imagens em outdoors e muros da cidade, chamou a atenção da mídia e intrigou a Academia quando sugeriu que se caso ganhasse, receberia o prêmio com o rosto tampado por uma máscara de macaco. De antemão, a Academia rebateu, mas nem ela soube o que fazer quando o anúncio dos concorrentes foi feito na transmissão ao vivo. A quem filmar?

No universo temático de Banksy, permeiam sempre os mesmos personagens, ligados a algum tipo de crítica ou humor que aponta as mazelas da sociedade ou da própria arte. Utiliza principalmente a técnica do stencil e costuma retratar, por exemplo, cenas de conflito ironizadas, símbolos do capitalismo hostilizados ou personagens de nossa sociedade, públicos ou não, em situações constrangedoras.

Em muitos trabalhos, expõe sua opinião de maneira sutil ou faz escolha pelo humor para transmitir a imagem da sociedade em que vive, vista por ele (e por muitos de nós) como egocêntrica e materialista. Ao ironizar forças de defesa, como a polícia civil e militar, explicita o combate a violência. Não raro, critica ocupações militares em diversos países, além de frequentemente usar soldados ou guardas civis como personagens, geralmente colocados em situações constrangedoras. Ainda, critica o culto a personalidades e o mercado de arte, ao mesmo tempo que está diretamente ligado a este universo. Banksy é um fruto e um produto dos nossos tempos, sua maior fonte de inspiração. Hoje, e cada vez mais, se faz necessária uma voz critica e bem humorada.