Você está aqui: Página Inicial / Cultura / A face polêmica de Jesus

Cultura

Teatro

A face polêmica de Jesus

por Leneide Duarte-Plon — publicado 24/11/2011 10h19, última modificação 25/11/2011 10h26
Os fundamentalistas franceses reagem com furor a uma peça em cujo cenário está o rosto do filho de Deus
leneide

Os fundamentalistas franceses reagem com furor a uma peça em cujo cenário está o rosto do filho de Deus.

Do fundo do palco, o enorme retrato de Cristo, pintado no século XV por Antonello da Messina, fita os espectadores nos olhos. Em cena, diante dele, um velho, esfíncter incontinente, perturba a saída do filho para o trabalho. O rosto de Cristo é cenário fixo nos 50 minutos da peça do dramaturgo italiano Romeo Castellucci, 51 anos, Sul Concetto di Volto nel Figlio di Dio  (Sobre o Conceito do Rosto do Filho de Deus). O espetáculo, que até março do próximo ano circula por várias cidades europeias até retornar à Itália, causa impacto por sua força dramática. Mas em nenhuma dessas localidades, até o momento, provocou tanto furor quanto na França.

 

Apresentada no Festival de Teatro de Avignon, em julho deste ano, a peça suscitou reações indignadas da parte de grupos fundamentalistas católicos, que tentaram impedir algumas apresentações. Em Paris, onde esteve em cartaz de 20 de outubro a 6 de novembro, a peça, toda falada em italiano, sem legendas, transformou-se em um acontecimento cultural em si pela controvérsia que despertou, comparável à suscitada em 1966 durante a temporada de Les Paravents, de Jean Genet, vítima dos grupos de extrema-direita que viam na peça uma ofensa à França e a seu exército.

Neste ano, o Théâtre de la Ville, em Paris, foi protegido todas as noites por um impressionante esquema policial, com blindados de tropas de choque formando um cordão de segurança no quarteirão para impedir a entrada de fiéis. Eles gritavam slogans contra a alegada “cristianofobia” da peça. Para adentrar o teatro, os espectadores tinham de passar por um esquema de controle de bolsas e apalpação do corpo digno de um aeroporto moderno. Dentro da sala de espetáculo, havia dezenas de policiais em roupas civis, prontos para dominar espectadores exaltados. Alguns deles tentaram interromper as apresentações.

*Leia matéria completa na Edição 674 de CartaCapital, jás nas bancas